Atenção

Dieta vegetariana

2 minutos de leitura

Tem respaldo científico adotar um regime alimentar sem carne?

Peter N. Landless e Zeno L. Charles-Marcel
Foto: Julian Hanslmaier

Sim, há um volume grande e robusto de pesquisas sobre saúde, com trabalhos revisados por cientistas, que mostram os benefícios da dieta vegetariana ensinada há muito tempo pela Igreja Adventista. Essa é uma tendência que tem se fortalecido no mundo acadêmico.

LEIA TAMBÉM:

A dieta do futuro

Um dos estudos pioneiros nessa direção foi a pesquisa norte-­americana que tem sido realizada há décadas, em várias fases, e que analisa a saúde dos adventistas da Califórnia (EUA). Esse levantamento é importante e reconhecido internacionalmente, gerando até pesquisas semelhantes em outras partes do mundo, como o Estudo Advento, que investigou a saúde de 1,4 mil em São Paulo e no Espírito Santo.

Estudos como esses dois podem ser úteis para orientar populações variadas ao redor do globo. É verdade que as características locais dessas sociedades, culturas e territórios devem ser levadas em conta também, como o fato de que a porcentagem de indianos que são vegetarianos é quase oito vezes maior do que a de norte-americanos.

Contudo, pesquisas recentes indicam várias vantagens da dieta vegeteriana sobre as demais. Por exemplo, um estudo publicado neste ano pelos pesquisadores Le Ma, Gang Liu e Ming Ding na revista acadêmica Circulation revelou que o aumento da ingestão de tofu (queijo de soja) está associado a menores riscos de doença arterial coronária, ataques cardíacos relacionados a ela e morte.

Por sua vez, outro grande estudo, divulgado pelos pesquisadores Frank Qian, Gang Liu e Frank B Hu na revista da associação médica norte-americana (JAMA), em julho de 2019, confirmou que padrões dietéticos à base de frutas, vegetais, grãos integrais, leguminosas e nozes podem ser benéficos na prevenção primária de diabetes tipo 2. Esse mesmo benefício não se observa, por exemplo, naqueles que fazem uso predominante de grãos refinados, amidos e açúcares.

Por fim, outra pesquisa publicada na revista JAMA, em julho de 2020, por Jiaqi Huang, Linda M. Liao e Stephanie J. Weinstein, mostrou que a mudança de fontes de proteína de origem animal para fontes de proteína de origem vegetal resulta em maior longevidade. E a melhora mais acentuada foi observada quando a carne vermelha e ovos foram trocados por alimentos com proteína vegetal.

Precisamos indagar se nosso conhecimento não está desconectado de nossa prática e hábitos

Diante dessas e de outras evidências, resta-nos refletir como adventistas se nosso conhecimento não está desconectado de nossa prática e hábitos. Por exemplo, a maioria das pessoas sabe que é saudável fazer exercício diariamente; no entanto, nem todos fazem isso. Mesmo no contexto da pandemia, temos uma oportunidade de ouro para desenvolver novas habilidades e receber orientação, ainda que virtualmente. O que precisamos é de apoio e de responsabilidade individual para incorpoar novos hábitos.

É interessante e animador saber que há pesquisas atuais e sólidas confirmando as descobertas feitas ao se analisar o estilo de vida de certos adventistas. Não somente em relação à nutrição, mas também aos benefícios do exercício físico, sono adequado, exposição cuidadosa ao sol, ar fresco, água pura, confiança em Deus. De fato, somos abençoados por viver num tempo em que a ciência continua confirmando as instruções dadas por Deus na Bíblia e nos escritos de Ellen G. White.

PETER LANDLESS é cardiologista e diretor do Ministério da Saúde da sede mundial adventista em Silver Spring (EUA); ZENO CHARLES-MARCEL é clínico geral e diretor associado desse ministério

(Artigo publicado na seção Bem-estar da edição de outrubro de 2020 da Revista Adventista/ Adventist World)

Última atualização em 22 de outubro de 2020 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.