Entre dois mundos

2 minutos de leitura

Ficção cristã alerta jovens sobre o perigo da vida dupla

André Vasconcelos

Mateus era um menino feliz e comum. Amado pelos pais, Júlia e Marcos, teve o privilégio de crescer em um lar cristão. Os amigos e a namorada professavam a mesma fé, o que lhe proporcionava, do ponto de vista religioso, relacionamentos saudáveis e um ambiente social seguro.

Porém, conforme o tempo foi passando, as influências negativas se tornaram mais fortes, assim como as dificuldades na vida cristã. Lucas, o melhor amigo de Mateus, e Letícia, a namorada dele, tentaram adverti-lo, mas ele precisava tomar uma decisão. Afinal, ninguém pode pertencer a dois mundos!

Em resumo, esse é o enredo de Sono Eterno (CPB, 2021, 80 p.). Essa ficção cristã, que lembra o livro Projeto Sunlight (CPB, 2011), de June Strong, nos mostra o perigo de ficar sobre o muro da incerteza. É uma reflexão útil para juvenis, adolescentes e jovens que insistem em manter uma vida dupla: pela manhã estão na igreja e à noite vão para a balada.

Quanto ao gênero ficção, é importante lembrar que Jesus empregou esse recurso na ­parábola do rico e do mendigo, em Lucas 15:19 a 31, e que Ellen White recomendou a clássica alegoria de John Bunyan, O Peregrino (1678). Além disso, ela mesma compilou e publicou, em 1863, 129 contos/histórias e 25 poemas numa série que ficou conhecida como Sabbath Readings: Moral and Religious Lessons for Youth and Children. Posteriormente, Ellen White ampliou essa série, que recebeu o título de Sabbath Readings for the Home Circle. A nova série de quatro volumes continha 200 contos/histórias e 86 poemas.

Esses exemplos são evidências de que há espaço para a boa ficção, isto é, histórias e contos que ensinem valores bíblicos, utilizem linguagem sadia, despertem reflexão, enalteçam o bem e evitem elementos fantasiosos. De fato, a maioria dos problemas relacionados ao gênero não tem que ver necessariamente com especificidades literárias, mas com valores duvidosos.

Alinhado aos princípios que caracterizam a boa ficção, Sono Eterno convida o leitor a desviar a mente do que é efêmero e transitório para o eterno e duradouro. É um apelo para refletir sobre o presente com vistas ao futuro. Como Mateus, o personagem principal da trama, cada pessoa é levada a escolher de que lado estará na batalha final, antes que seja tarde demais.

Não podemos revelar o fim do livro, pois seria um spoiler indesejado, mas a obra foi bem escrita pela jovem Karol Aguiar, estudante de Jornalismo e Comunicação Social no Unasp, em Engenheiro Coelho. Com apenas 23 anos, ela retratou com sensibilidade os problemas e tentações que os jovens enfrentam diariamente em nossa sociedade.

TRECHO

“Júlia e Marcos saíram do quarto a fim de dar um tempo para que o filho fizesse sua meditação diária. E ele sabia disso. No entanto, simplesmente se esticou até alcançar o celular no criado-mudo, acomodou-se de lado e começou a checar todas as suas redes sociais. Fazia muito tempo que Mateus não desfrutava de um relacionamento com Deus. Na verdade, tirando a hora das refeições em família e os momentos que passava na igreja, ele não conseguia se lembrar da última vez que tinha orado. […] E, ainda assim, todos o viam como um cristão perfeito! Até porque ele se comportava como um na frente das pessoas” (p. 35).

ANDRÉ VASCONCELOS é pastor e editor de livros na CPB

(Resenha publicada na edição de março de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Recuperação da aprendizagem

Professor compartilha anseios experimentados durante a quarentena e desafios das escolas no retorno às aulas presenciais.