Épico adventista

4 minutos de leitura

Conheça o poema escrito em esperanto que reflete a visão de Ellen White sobre o conflito entre o bem e o mal

Beth Thomas
Foto: NateRayfield

Edwin de Kock se tornou adventista aos cinco anos de idade, quando a mãe, lendo os Dez Mandamentos, descobriu o sábado. Natural da África do Sul, Kock graduou-se em Teologia na Faculdade de Helderberg, próximo à Cidade do Cabo. Continuando seus estudos, ele concluiu uma graduação e mestrado em idiomas e obteve outro diploma na área de educação. Por mais de 40 anos, Kock lecionou para o ensino médio e em universidades, tanto adventistas como seculares, na África do Sul, Coreia do Sul e nos Estados Unidos, onde ele e a esposa conseguiram a cidadania em 2000.

Enquanto estudava na Universidade de Stellenbosch, na África do Sul, Kock conheceu Nico van der Merwed, que lhe apresentou o esperanto, idioma desenvolvido por Ludwek Lejzer Zamenhof, poliglota judeu polonês. Em 1887, Zamenhof publicou um livreto no qual apresentou a gramática e o vocabulário básico do esperanto, além de exercícios e vários poemas escritos nesse idioma.

Um diferencial do esperanto é que se trata de uma língua construída. Seu vocabulário foi formado por elementos comuns ao inglês, italiano, espanhol, português e ­francês, além do grego clássico e latim. Todos esses elementos estão reunidos numa gramática que, segundo Kock, é uma ­obra-prima de simplicidade e flexibilidade.

Segundo Kock, o objetivo de Zamenhof com o esperanto não era tomar o lugar de nenhum idioma, porém oferecer uma possibilidade para que todas as pessoas da Terra se comunicassem. A ideia de Zamenhof era que o esperanto fosse a segunda língua de todos aqueles que quisessem se comunicar com o restante do mundo.

Quando recebeu emprestada de Nico van der Merwe uma Bíblia em esperanto, Kock ficou intrigado com a língua e procurou estudá-la. Ele observou a alta qualidade dos escritos produzidos por quem domina esse idioma, cerca de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Kock escreveu seu primeiro poema em esperanto cinco meses após aprender o idioma. Ao se comunicar com outros autores do mundo todo, suas poesias logo foram publicadas em revistas e livros. Isso o levou à obra da sua vida: um épico intitulado La Konflikto de la Epokoj (O Conflito dos Séculos).

A OBRA DE UMA VIDA

Um épico é um poema ambicioso, às vezes com centenas de páginas, sobre um tema de grande importância. Muitas vezes por trás do tema está a perspectiva de seu autor e até mesmo do país ou do grupo de pessoas a que ele pertence. Epopeias famosas são a Ilíada e a Odisseia, ambas ­atribuídas a Homero, um grego que viveu cerca de 750 a.C. Por sua vez, Eneida, escrita em latim, do romano Virgílio (70-19 a.C.), também é outro clássico. Podemos falar o mesmo de A Divina Comédia, do italiano Dante Alighieri (c. 1265-1321); de Os Lusíadas, do português Luís Vaz de Camões (c. 1524-1580); e da obra O Paraíso Perdido, do britânico John Milton (1608-1674).

Kock começou a trabalhar no seu poema épico em 1959. Devido a várias interrupções, em 1992 ele havia terminado pouco mais de um terço do livro. Somente em 2015 ele retomou essa hercúlea tarefa e a concluiu em 2018, aos 88 anos de idade.

O trabalho de Kock, embora homônimo do livro da pioneira adventista Ellen White, O Conflito dos Séculos, não é uma tradução da série de cinco volumes, mas uma descrição do tema do grande conflito que permeia toda a Escritura, mesclado com a exposição de várias profecias. Kock afirma que, teologicamente, esse épico é uma obra puramente adventista do sétimo dia, pois contém suas crenças fundamentais.

O poeta adventista sul-africano Edwin de Kock concluiu seu épico somente em 2018, aos 88 anos de idade

Muito influenciado pelos escritos de Ellen White e pela Bíblia, o épico destaca como a lei e o amor se reconciliam pelo incomparável presente de Deus: o sacrifício de Seu Filho para salvar o mundo rebelde. Ele também enfatiza o valor de cada ser humano aos olhos do Senhor.

Kock é o protagonista no La Konflikto de la Epokoj, mas seu personagem representa cada pessoa que sofre com o peso do pecado, da tristeza, da dúvida e da incerteza. Uma das lições da obra é que todos precisam de esclarecimento, orientação e salvação.

Em seu poema, Kock leva os leitores a uma jornada imaginária através do tempo e do espaço, começando com a queda de Lúcifer, seguindo pelo pecado de Adão e Eva e terminando com a Terra renovada, onde e quando pecado e pecadores não existirão mais.

Em sua jornada, Kock se encontra com quatro personagens bíblicos que agem como seus companheiros e intérpretes: Enoque, que nunca morreu; Moisés, que ressuscitou algum tempo depois de ter sido sepultado; e Esdras e Isaías, que representam aqueles que ressuscitaram por ocasião do terremoto que sucedeu a morte de Jesus (Mt 27:51-53). Durante toda essa expedição, Kock também está acompanhado de seu anjo da guarda.

O autor sul-africano aspirava criar uma obra-prima em esperanto; porém, mais do que isso, ele queria oferecer um contraponto à influência ideológica de incrédulos como o poeta esperantista William Auld (1924-2006), que escreveu La Infana Raso (A Raça Infantil), em 1956. Em 169 páginas, Auld apresentou de maneira sedutora a cosmovisão evolucionista ateísta. “Como cristão adventista do sétimo dia, queria apresentar meu Senhor e Salvador Jesus Cristo, com a esperança de que alguns dos meus leitores fossem atraídos para Ele e salvos eternamente”, justificou Kock.

Até onde Kock saiba, La Konflikto de la Epokoj é a única obra impressa em esperanto que reflete, ao mesmo tempo, as ideias de Ellen White e as raízes escriturísticas do tema do grande conflito. Ele é reconhecido como um dos principais poetas esperantistas do mundo. Talvez o poeta adventista nunca saiba qual foi o impacto de sua produção para aqueles que falam e leem em esperanto, mas certamente seu empenho representa uma voz adventista num segmento populacional tão especializado.

BETH THOMAS é escritora freelance e vive em Michigan (EUA)

(Matéria publicada na edição de dezembro de 2020 da Revista Adventista / Adventist World)

Última atualização em 30 de dezembro de 2020 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Método inovador

Universidade adventista investe em sistema digital para ensinar sobre anatomia humana.