Atenção

Hora do voto

2 minutos de leitura

Qual deve ser a postura dos adventistas em relação à política e às eleições?

Crédito da imagem: Adobe Stock

Mais uma vez estamos próximos a um período de eleições no Brasil. À medida que vai chegando a data, a tensão costuma crescer e as discussões se tornam mais acaloradas. Essa também é uma época oportuna para relembrar alguns conselhos bíblicos e o posicionamento da Igreja Adventista sobre o assunto.

No documento “Os Adventistas e a Política”, votado no Concílio Anual da Divisão Sul-Americana em novembro de 2017 e revisto em agosto de 2020, encontram-se várias recomendações que esclarecem a posição da igreja a esse respeito. Logo na introdução pode-se ler sobre seu objetivo: “servir como um guia conciso e unificado sobre o pensamento da igreja quanto às questões políticas”. O documento não foi preparado para “substituir os conselhos divinos, mas sim expressar claramente a compreensão que a igreja tem no momento acerca do relacionamento institucional com os poderes públicos e os assuntos políticos, bem como os deveres de seus membros como cidadãos”.

Dentre os pilares que sustentam a postura da Igreja Adventista em relação aos assuntos públicos destacam-se a liberdade religiosa inclusiva e a convicção da separação entre Igreja e Estado. A liberdade de religião para todos dá testemunho da crença em um Deus criador de quem emanam os dons preciosos da liberdade de pensamento, consciência e escolha dados a cada ser humano. A separação entre Igreja e Estado conduz à segura posição de não filiação nem militância políticopartidária adotada pelos adventistas desde os primórdios de sua organização.

Essa posição não implica inimizade com os poderes constituídos. Antes, reconhecemos a ordem bíblica de orar “em favor dos reis e de todos os que exercem autoridade” (1Tm 2:2), bem como o fato de que “não há autoridade que não proceda de Deus, e as autoridades que existem foram por Ele instituídas” (Rm 13:1).

O padrão para o qual olhamos é a pessoa de Cristo. Em O Desejado de Todas as Nações (p. 509), Ellen White escreveu: “O governo sob que Jesus viveu era corrupto e opressivo; clamavam de todo lado os abusos – extorsões, intolerância e abusiva crueldade. Não obstante, o Salvador não tentou nenhuma reforma civil. Não atacou nenhum abuso nacional, nem condenou os inimigos da nação. Não interferiu com a autoridade nem com a administração dos que se achavam no poder. Aquele que foi o nosso exemplo conservou-Se afastado dos governos terrestres. Não porque fosse indiferente às misérias do homem, mas porque o remédio não residia em medidas meramente humanas e externas.”

A igreja tem claro entendimento de que a melhor forma de cooperar com os governos é por meio da pregação do evangelho e do serviço desinteressado oferecido às comunidades em que está inserida por meio de seus múltiplos ministérios. Dessa maneira, a igreja se torna conhecida, relevante e confiável. O Senhor Jesus afirmou: “Deem a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mc 12:17). Dar o que pertence a César implica também o cumprimento dos deveres próprios da cidadania, incluindo o exercício de votar.

Ao mesmo tempo em que a igreja não lança, não patrocina e nem indica candidatos, ela recomenda que seus membros votem conscientemente em pessoas que promovam e defendam os valores bíblicos praticados pelos adventistas, como os princípios da qualidade de vida e da saúde, o modelo bíblico de família, os valores éticos e morais, a liberdade religiosa e a separação entre Igreja e Estado. Esses aspectos podem se tornar um grande benefício para toda a população.

HÉLIO CARNASSALE é pastor e lidera as áreas de Liberdade Religiosa e Espírito de Profecia na sede da Igreja Adventista para a América do Sul, em Brasília (DF)

(Artigo publicado originalmente na seção Enfim da edição de novembro da Revista Adventista)

LEIA TAMBÉM

https://www.revistaadventista.com.br/blog/2017/07/04/a-igreja-e-a-politica/

Última atualização em 13 de novembro de 2020 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.