Igreja no porão

2 minutos de leitura
O local que serviu de esconderijo para judeus durante a Segunda Guerra Mundial e foi transformado em centro comunitário adventista na Hungria
Além de ser um ponto de encontro da juventude adventista, a ideia é que as ações no antigo porão abram as portas para que outras pessoas conheçam nossa mensagem. Foto: Divisão Transeuropeia

Um dos pontos turísticos bastante visitados em Budapeste, capital da Hungria, é o Holocaust Memorial Center. Ali é contada a história de perseguição aos judeus no país durante a Segunda Guerra Mundial. O acervo chama a atenção especialmente para o fato de aproximadamente 500 mil pessoas terem sido deportadas e mortas nos campos de concentração.

Às margens do rio Danúbio, outro memorial relembra igualmente a crueldade com que foi tratado esse grupo após a invasão nazista em 1944. Idealizado por um diretor de cinema húngaro, o monumento “Shoes on the Danube” apresenta dezenas de pares de sapatos esculpidos em metal, em homenagem às famílias judias que foram obrigadas a se despir antes de ser fuziladas.

Naquela época, alguns sobreviventes foram forçados a viver em guetos ou buscaram refúgio em esconderijos. Mais de 70 anos depois, um dos locais usados para abrigar dezenas de judeus das forças de ocupação na Hungria tornou-se um centro em que os jovens adventistas e seus amigos podem se encontrar, estudar e brincar. O Duna Youth Center (Centro Jovem Duna) abriu as portas na rua Székely Bertalan, em Budapeste, no mês de maio.

Aproximadamente 30 jovens compareceram à inauguração e ficaram muito felizes com a oportunidade de ver um antigo sonho realizado. Por muitos anos, a igreja nessa região sonhou em ter um lugar na capital onde os jovens pudessem se encontrar para conversar, ler e participar de atividades recreativas. “Para todos nós, é uma grande alegria ver o centro jovem finalmente inaugurado”, disseram os líderes locais na ocasião.

Além da ligação histórica, esse não será um porão qualquer, conforme destacou Erno Osz-Farkas, presidente de uma das sedes administrativas da igreja na região. “Geralmente, colocamos no porão o que desejamos esquecer ou jogar fora, mas o objetivo desse lugar é exatamente o contrário. Não vamos colocar aqui as coisas que queremos esquecer, e sim o que queremos guardar”, ressaltou.

Em uma placa, fixada acima da porta de entrada do centro comunitário, pode-se ler sobre o grande número de judeus que foram salvos naquele basement. “Gostaríamos de continuar a tradição fazendo deste porão um santuário para todo jovem que precisa de um pouco de tranquilidade, descanso, regeneração espiritual e boa companhia”, ele sublinhou.

Osz-Farkas acredita que esse espaço será um local em que a juventude húngara se sentirá à vontade para compartilhar experiências, se descontrair e ouvir a Palavra de Deus. O centro jovem está aberto todas as tardes e noites da semana, das 16h às 22h (aos sábados, até meia-noite). Visitantes são bem-vindos, especialmente os que querem aprender e descansar. O plano é que ali sejam organizadas atividades artísticas e recreativas para o público em geral, atraindo assim também os jovens que não são da igreja.

KRISZTINA SÁNDOR e BOLDIZSÁR ÓCSAI são colaboradores da Divisão Transeuropeia

(Publicada na edição de setembro de 2018 da Revista Adventista / Adventist World)

Última atualização em 18 de outubro de 2018 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Panorama da igreja no contexto da pandemia

Saiba como foi a última reunião de líderes mundiais da denominação.