Atenção

Influências pré-natais

3 minutos de leitura
Mães que se alimentam mal durante a gestação podem “programar” doenças nos filhos
Créditos da imagem: Fotolia

O impacto das escolhas da mãe sobre o desenvolvimento do bebê tem sido vastamente pesquisado por estudiosos em todo o mundo. Mas o que, afinal, pode acontecer com esse bebê quando for adulto? Que tipo de doenças ele pode desenvolver? E mais, até que ponto alterar o estilo de vida somente no período gestacional contribui para a saúde e o desenvolvimento do feto?

Há mais de 15 anos, o pesquisador James Armitage, professor na Universidade Deakin, na Austrália, tem buscado respostas para essas perguntas. O interesse pelo tema cresceu ao cursar o PhD. Na época, ele descobriu que bebês que receberam a quantidade ideal de Ômega 3 no período gestacional, mesmo sem o consumo regular posterior, estavam mais protegidos.

Armitage estuda a chamada “programação cardiometabólica”, termo usado para exemplificar como o metabolismo será na vida adulta em função dos estímulos ou insultos que recebemos na fase gestacional.

Durante uma palestra proferida no Instituto Adventista Paranaense (IAP) na última segunda-feira, 6 de março, o australiano apresentou algumas hipóteses do estudo realizado em parceria com pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), entre eles a professora do IAP, Kesia Palma Rigo, doutora em Fisiologia.

Baixa nutricional

O estudo de fatores ambientais que podem alterar a maneira como os genes são expressos é discutido há décadas. Em 1980, o pesquisador inglês David Barker correlacionou as mortes por doenças cardiovasculares em diferentes regiões da Inglaterra com o peso dos indivíduos ao nascer. Ele observou que, entre pessoas que tinham nascido com peso menor, havia maior índice de mortes por doença cardiovascular. Uma comprovação dos estudos realizados após a II Guerra Mundial.

No período em que a Alemanha bloqueou todos os portos e caminhos que davam acesso à Holanda, bem como à Polônia, Noruega e Dinamarca, a entrada de alimentos nesses países era limitada, o que forçou a população a ingerir apenas um terço da quantidade ideal de calorias necessárias por dia.

Estudos pós-guerra, realizados com os filhos dessas gestantes, mostraram a prevalência de doenças cardiovasculares. “Esses princípios apontam para um mecanismo mais amplo. Mulheres que se alimentaram melhor e mantiveram um estilo de vida saudável no período mínimo entre nove e seis meses antes da gestação terão filhos com menor probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares”, Armitage sublinha.

No entanto, como ele lembra, as pesquisas não se limitam à alimentação. Outros fatores podem contribuir para a programação cardiometabólica. Um exemplo citado por Armitage é o de gestantes que praticam exercícios físicos regularmente e têm filhos com menor propensão à obesidade.

Contudo, a Dra. Kesia Rigo esclarece que, quando se fala em “programação de doenças”, não quer dizer que a pessoa determinantemente sofrerá dessas enfermidades na fase adulta, mas que o risco de contraí-las será maior. “Ao identificar essa propensão, o indivíduo deve se alimentar melhor, praticar exercícios físicos e não se expor a situações de estresse. Com isso ele diminuirá a probabilidade de desenvolver doenças”, ressalta.

Informação como prevenção

James Armitage defende que o grande problema é a falta de informação sobre o assunto. “Nem todos sabem que a estrutura básica do ser humano é desenvolvida no útero e que o desenvolvimento da criança pode ser alterado por diversos fatores. Isso envolve tanto a falta quanto o excesso de comida, o que fará com que a criança cresça sem os nutrientes necessários para a saúde na fase adulta”, exemplifica, destacando a importância de as futuras mamães buscarem mais informações.

Kesia, que além de pesquisadora é mãe, acrescenta que também é preciso ter cuidado com determinadas práticas instituídas pela indústria, como a criação de fórmulas, papinhas e vitaminas que prometem melhorar o desenvolvimento e aumentar a imunidade das crianças.

Para saber +

Por décadas, acreditava-se que apenas os genes fossem os responsáveis por transmitir informações biológicas para as próximas gerações. Mas isso mudou. Hoje, os cientistas consideram que as variações não-genéticas, adquiridas no decorrer da vida, também podem ser transmitidas aos descendentes. O nome dado a essas variações é epigenética. Saiba mais na reportagem “O X da questão”, publicada pela revista Vida e Saúde.

CAROLINA PEREZ é assessora de comunicação do Instituto Adventista Paranaense (IAP)

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Novas diretrizes para as igrejas na pandemia

Liderança sul-americana da Igreja Adventista vota novo documento com diretrizes para cultos e reuniões presenciais e virtuais.