Je suis de Jésus

2 minutos de leitura
As permanentes guerras entre diferentes visões de mundo têm marcado a época atual não só pela violência bélica, mas principalmente ideológica
Foto: Valentina Calà/Flickr
“Eu sou Charlie”: frase se tornou símbolo da defesa pela liberdade de expressão depois de atentado em Paris. Foto: Valentina Calà/Flickr

O ataque terrorista à redação da revista semanal Charlie Hebdo, em Paris, desencadeou uma onda de protestos pelo mundo em defesa da liberdade de expressão, a exemplo da marcha no centro de Paris, que reuniu 1,5 milhão de participantes no último domingo, 11 de janeiro. A tragédia traz novamente para a esfera pública o debate sobre o perigo dos extremismos. Eric Hobsbawm, que foi considerado um dos maiores historiadores do mundo contemporâneo, classificou o século 20 como a “Era dos Extremos”, título, aliás, que compõe uma de suas obras mais conhecidas. Embora o século 21 não seja caracterizado, como o anterior, por conflitos bélicos da mesma magnitude, conforme analisado por Hobsbawm, as permanentes guerras entre diferentes visões de mundo também têm marcado a época atual não só pela violência bélica, mas principalmente pela ideológica, como evidenciam os conflitos entre Oriente e Ocidente.

Nesse sentido, não apenas a barbárie cometida pelos terroristas Kouachi e Hamy Mourad, mas também os abusos praticados em nome da liberdade de expressão são dignos de reprovação. Até que ponto a imprensa tem a prerrogativa de ridiculizar valores e princípios ligados à religião? Na edição de 9 de janeiro, o jornal O Estado de S. Paulo reproduziu artigo de um colunista do The New York Times, Nicholas Kristof, que chamava a atenção para o fato de que “o semanário satírico francês Charlie Hebdo ridiculariza pessoas de todas as origens e fés” e que “uma caricatura mostrava rolos de papel higiênico marcados como ‘Bíblia’, ‘Torá’ e ‘Alcorão’ e a explicação: ‘No vaso sanitário, todas as religiões.’”

Isso não quer dizer, obviamente, que haja qualquer justificativa para se agir com violência, ainda mais em nome da “fé”. Qualquer tipo de radicalismo é contrário ao que preceitua a religião, pois seus valores, quando praticados corretamente, promovem o equilíbrio, a paz, o respeito, a fraternidade. Fundamentalismo, no sentido pejorativo do termo, é uma desvirtuação do que a prática religiosa deve ser: uma experiência baseada em fundamentos sólidos, mas com total respeito ao livre-arbítrio. Em uma época de intensas e violentas manifestações de intolerância, isso traz, por sinal, um novo risco para a liberdade religiosa: o de classificar todos aqueles que não abrem mão de seus princípios, mas que o fazem respeitando a alteridade, como “terroristas”, inimigos da ordem e do bem-estar social.

Esse tipo de confusão generalizada, que tanto mancha o nome da religião quanto desvirtua os princípios da liberdade de expressão, tem causas profundas e não vai acabar enquanto a verdadeira raiz do problema não for eliminada. Lúcifer, o primeiro terrorista do Universo, foi o responsável por contrafazer o princípio da lei da liberdade de expressão e deturpar a verdadeira religião.

Em meio a esse conflito polarizado entre o bem e o mal, o ponto central para mim como cristão não é se “sou ou não Charlie”, como os manifestantes têm expressado nas ruas, mas é saber se posso afirmar com segurança: “Je suis de Jésus”.

Manuel Xavier de Lima é pastor

Leia também:

Especialistas analisam questão religiosa e comunicacional de atentados na França

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Modelos de liderança

Livro reflete sobre o papel do pastor e do ancião no cumprimento da missão adventista.