Matando a fome

2 minutos de leitura

Conheça o projeto que alimenta diariamente cerca de 2 mil pessoas em situação de rua na capital de Roraima

Silvia Tapia

Foto: ADRA Brasil

Um estudo realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional revelou que 19 milhões de brasileiros passam fome atualmente. Roraima é um dos estados que viram o efeito devastador da falta de comida. Estima-se que cerca de 20% da população dessa região sejam compostos de refugiados e migrantes do país vizinho, a maioria deles vivendo em situação de rua. Sem meios de suprir suas necessidades, esse grupo sofre especialmente com a escassez de alimentos.

Pensando em amenizar a situação, em 2018 a ADRA lançou o projeto “Refeições Quentes”, iniciativa que hoje atende cerca de 2 mil pessoas por dia. As marmitas são distribuídas de domingo a quinta-feira, em diferentes locais. Entre os principais pontos de distribuição estão a Rodoviária de Boa Vista e abrigos em que vivem pessoas sem documentos, acesso a emprego, moradia, sem condições para produzir o próprio alimento.

Natássia de Azevedo, coordenadora do projeto, explica que, para garantir que esses alimentos cheguem aos necessitados, cerca de dez pessoas contribuem no preparo das refeições. “Desde a elaboração do cardápio até o prato do beneficiário, existe o acompanhamento de um nutricionista,” ela observa. Considerando que a refeição entregue pela ADRA será, provavelmente, a única que essas pessoas terão naquele dia, as marmitas contêm o dobro do valor nutricional de uma refeição comum.

A venezuelana Azul Aguinagalde é uma das milhares de pessoas beneficiadas pelo projeto “Refeições Quentes”. A assistência oferecida pela agência humanitária da igreja, ADRA, foi um divisor de águas na vida da sua família. “Minha mãe e eu viemos para o Brasil em busca de melhor qualidade de vida. Não tínhamos dinheiro nem havia pessoas conhecidas, então tivemos que morar nas ruas. Em meio a essa situação, conhecemos a ADRA, que nos ofereceu alimentos durante os primeiros meses de 2020”, ela conta.

A venezuelana Azul Aguinagalde foi beneficiada inicialmente pelas marmitas distribuídas pela agência humanitária e hoje é funcionária do projeto. Foto: ADRA Brasil

Tendo criado já um vínculo com a beneficiária e reconhecendo suas capacidades laborais, o escritório regional da ADRA a convidou para fazer parte de um processo seletivo e treinamento para se tornar funcionária do projeto “Refeições Quentes”. “Levei meu currículo, passei pelo treinamento e fui aceita. Fiquei muito feliz e coloquei meu coração no projeto. Continuo dando meu melhor, pois esta é a minha chance de fazer pelos outros o que um dia a ADRA fez por mim. Hoje trabalho com carteira assinada, moro numa casinha pequena, mas aconchegante, e é uma alegria trabalhar levando alimento às pessoas”, conclui emocionada.

Os recursos para financiar esse projeto provêm da ADRA Internacional, com sede nos Estados Unidos, e especialmente de doações da comunidade e de estabelecimentos comerciais locais. Entre janeiro e maio, a equipe da ADRA Roraima serviu mais de 180 mil refeições. Porém, os desafios de combater a fome na região continuam. “Faço aqui um apelo, pois a continuidade do projeto depende da solidariedade das pessoas”, enfatiza Daniel Lessa, diretor regional da ADRA em Roraima. Os interessados em colaborar doando recursos para o “Refeições Quentes” podem fazê-lo por meio do seguinte endereço: https://bit.ly/2TLyADK.

SILVIA TAPIA é assessora de comunicação da ADRA no Brasil

(Matéria publicada na edição de julho de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Novas leituras

As hermenêuticas alternativas e suas implicações para a igreja.