Atenção

Meninas na ciência

2 minutos de leitura

Projeto desenvolvido em colégio adventista incentiva a participação de alunas em eventos científicos nacionais e internacionais

PAULO SÉRGIO RIBEIRO

Escola de Joinville (SC) tem procurado despertar o interesse de meninas pela área de pesquisa e promover o contato delas com o meio científico. Foto: Tiago Graciotto

Cientistas como Galileu Galilei, Isaac Newton e Albert Einstein facilmente são lembrados, mas poucos recordam de Marie Curie, a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel de Física e a lecionar na Universidade de Sorbonne, na França; Rosalind Franklin, química britânica que contribuiu para o entendimento das estruturas moleculares do DNA, RNA, vírus, carvão mineral e grafite; e Françoise Barré-Sinoussi, a pesquisadora francesa que teve um papel fundamental na identificação do vírus da imunodeficiência humana, causador da Aids.

A presença masculina na ciência é majoritária há séculos. Por isso, em 2015 a Assembleia das Nações Unidas colocou em pauta uma discussão que visa à equidade de gênero em iniciativas científicas, além de instituir o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência, celebrado em 11 de fevereiro. Desde então, eventos de entidades privadas, públicas e voluntárias têm promovido debates sobre a participação feminina na ciência e apontado caminhos para que isso aconteça.

Seguindo nesse sentido, no início do ano passado o Colégio Adventista de Joinville, em Santa Catarina, passou a incentivar alunas a participar de eventos, debates, grupos de estudos e concursos nacionais e internacionais de física, matemática, astronomia, tecnologia, astronáutica e ciências biológicas. A iniciativa partiu do professor Rudnei Machado, que é mestre em Matemática Aplicada e Física pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Ele já foi selecionado para realizar um curso no Centro Europeu de Reações Nucleares (CERN), que fica em Meyrin, na Suíça, e estagiou no Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP), em Lisboa, Portugal.

Nathália Osório, aluna do terceiro ano do ensino médio, conta que a iniciativa desse docente a motivou a querer fazer parte de uma futura geração científica mais igualitária e que essa influência pesou na escolha da graduação que ela pretende cursar: Engenharia Química. “Quero atuar com foco na área de pesquisas em laboratório”, ela observa.

Considerando a decisão de jovens como a Nathália de seguir carreira no campo científico, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) acredita que haverá mais igualdade de gênero na ciência em um futuro próximo. Mas, segundo um levantamento da entidade, atualmente apenas 28% do público feminino realizam pesquisas científicas no âmbito acadêmico.

Felizmente, segundo o professor Rudinei, olimpíadas de astronomia e física voltadas para alunos da educação infantil costumam receber um número de meninas quase igual ao de meninos. Já no nível do ensino médio, a disparidade continua sendo bastante acentuada. Entretanto, no contexto do colégio adventista catarinense, o cenário tem se mostrado mais igualitário. “Nas pré-seletivas internacionais de astronomia só tínhamos meninos. Porém, na edição deste ano tivemos quatro meninas entre os sete pré-
selecionados”, o educador relata.

De acordo com o professor Rudnei Machado, o plano é que as atividades continuem com novas ênfases, de modo que as alunas tenham referências nas diversas áreas do conhecimento e se inspirem em trajetórias como a de Aileen Yingst, cientista adventista que participou do programa da Nasa de envio da sonda Perseverance para Marte.

PAULO SÉRGIO RIBEIRO é assessor de comunicação da sede da Igreja Adventista para a região Oeste de Santa Catarina

(Matéria publicada na Revista Adventista de abril de 2021)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.