Atenção

Menos é mais

2 minutos de leitura
Apesar da pressão da sociedade consumista atual, o que possuímos não deve nos possuir nem nos definir
GERALDO BEULKE
É melhor ter pouco com tranquilidade do que muito com um imenso vazio na alma. Foto: Adobe Stock

Vivemos numa sociedade em que tudo está à venda e numa época em que se crê que quanto mais se consome mais se tem garantias de bem-estar, prestígio e valorização. Há quem afirme que estamos nos desequilibrando na linha perigosa entre ter uma economia de mercado e ser uma sociedade de mercado (Michael J. Sandel, O Que o Dinheiro Não Compra [Civilização Brasileira, 2017], p. 14).

Essa cultura de mercado resultou no que conhecemos como consumismo, que não é apenas um comportamento, mas uma visão de mundo (Mark Driscoll, Quem Você Pensa Que É? [Mundo Cristão, 2014], p. 18). Os bens carregam significados, emitem sinais sociais às pessoas ao redor e podem interferir em nossa identidade. Assim, roupas de grife, carros de última geração e novidades tecnológicas podem produzir um falso senso de segurança e se tornar uma muleta psicológica e social.

O consumismo pode ser considerado uma compulsão caracterizada pela busca incessante de objetos novos sem que haja real necessidade deles. Torna-se uma forma de idolatria, cuja trindade a ser adorada consiste em móveis, imóveis e automóveis, exigindo em seu altar o sacrifício do tempo, da saúde, da paz, do convívio social e do bem-estar familiar. Quando cedemos a essa forma de idolatria, aquilo que possuímos passa a nos possuir.

O conselho bíblico, sempre atual, é ainda mais significativo para nossos dias: “Melhor é ter um punhado com tranquilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento” (Ec 4:6, NVI). Esse texto nos remete a duas aplicações relacionadas ao consumismo. Primeira, o preço a ser cobrado por uma vida centrada em consumir e acumular pode ser muito mais caro do que o valor dos bens adquiridos. Segunda, com as duas mãos cheias de bens adquiridos para nós mesmos, ficamos ocupados demais para estendê-las em ajuda a quem precisa e em adoração a Deus. O foco em adquirir e acumular nos rouba a energia e o tempo necessários para o trabalho demorado de amar os outros e a Deus.

Em parte, esse foi o problema daquele rico produtor da parábola de Lucas 12:15-21. Lendo com atenção o texto bíblico, reparamos como os planos daquele homem gravitavam em torno do próprio ego. Seus bens o definiam, pois o possuíam. Por isso, Jesus introduziu a parábola afirmando que “a vida de um homem não consiste na quantidade de seus bens”.

O consumismo é um “parasita” transmitido pela mosca da ganância (Eugene Peterson, A Linguagem de Deus [Mundo Cristão, 2011], p. 73). Somos todos vulneráveis. Às vezes há anticorpos bíblicos suficientes em nossa mente; outras vezes, não. De quando em quando, nos vemos pensando, à semelhança daquele fazendeiro, em construir um celeiro maior. Deixamos de ver dádivas, dinheiro e bens como amor a ser compartilhado e começamos a calculá-los como meios de nos render prestígio, influência e atenção. Portanto, precisamos viver por estes princípios: a vida de uma pessoa não consiste na quantidade de seus bens, então é melhor ter um punhado com tranquilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento. Aquilo que possuímos não deve nos possuir.

GERALDO BEULKE, pastor em Tatuí (SP), está cursando o doutorado em Teologia pelo Unasp

(Artigo publicado na edição de março de 2019 da Revista Adventista)

Última atualização em 24 de abril de 2019 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Decreto dominical

O que levou o imperador romano Constantino a estabelecer oficialmente o domingo como dia de repouso há 1.700 anos.