Modelos de liderança

2 minutos de leitura

Livro reflete sobre o papel do pastor e do ancião no cumprimento da missão adventista

André Vasconcelos

À medida que o movimento adventista do sétimo dia caminhava em direção a seu estabelecimento como denominação, seus líderes foram levados a desenvolver uma estrutura organizacional efetiva, visando ao cumprimento da missão. Isso os motivou a aprofundar sua compreensão sobre dois ­ofícios apresentados no Novo Testamento: o apostolado e o ancionato (ver At 15:22).

Seguindo essa estrutura de liderança eclesiástica, os pioneiros adventistas confiaram especialmente a pastores e anciãos a responsabilidade de conduzir a igreja na pregação das três mensagens angélicas. No entanto, alguns estudiosos como Pieter G. Damsteegt e Russell Burrill têm notado que, de certa maneira, houve um distanciamento entre o ideal bíblico e a prática contemporânea.

Essa constatação instigante desperta a busca por um melhor entendimento de como pastores e ­anciãos atuavam nos primórdios do adventismo e como isso impulsionaria o engajamento dos membros com a missão da igreja. Conhecer melhor a história denominacional nos ajuda a refletir sobre as práticas presentes e a conduzir a igreja ao aperfeiçoamento de suas atividades, tendo sempre a Palavra de Deus como bússola e guia.

Longe de ser um retorno descontextualizado às práticas dos pioneiros, o livro As Duas Faces do Ministério (CPB, 2020, 112 páginas) procura apresentar como esses homens e essas mulheres comprometidos com a missão articulavam três elementos importantes: a compreensão bíblica, as necessidades cotidianas da igreja e as orientações de Ellen White acerca do assunto, em diálogo com a maneira pela qual a liderança do movimento compreendia essas instruções entre 1844 e 1915.

Na obra, o pastor Wellington Barbosa, doutor em Ministério, discute três pontos: (1) como Ellen White definia a missão da igreja; (2) como a denominação e Ellen White definiam o papel do pastor e do ancião no cumprimento da missão; e (3) como esses dois ofícios deveriam se unir ao cumprir a missão adventista. O livro é uma adaptação da dissertação de mestrado do autor, mas a linguagem é objetiva e leve.

O resultado é a apresentação de um conceito integrado do ministério de pastores e anciãos. Nesse modelo, propõe-se um novo equilíbrio entre pastoreio e expansão missionária, abertura de novos campos e capacitação de líderes.

Reconhecendo a importância do ancionato, este texto é mais uma homenagem a esses valorosos líderes, já que em 19 de junho a Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul celebra o Dia do Ancião. Parabéns a todos os que se dedicam a pastorear o rebanho de Deus e a abreviar a vinda do Supremo Pastor!

TRECHO

“O ancião foi visto como o líder local da congregação desde cedo na história do adventismo. No decorrer do tempo, suas atribuições foram expandidas e aperfeiçoadas, mas jamais negadas. Esperava-se dele que pastoreasse e supervisionasse a igreja com a autoridade derivada das Escrituras Sagradas. Num processo sinérgico com o ‘ancião itinerante’, o ancião local deveria conduzir a congregação em direção ao cumprimento da singular missão adventista” (p. 95).

ANDRÉ VASCONCELOS é pastor e editor na CPB

(Resenha publicada na seção Estante da Revista Adventista de junho de 2021)

Última atualização em 18 de junho de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Recuperação da aprendizagem

Professor compartilha anseios experimentados durante a quarentena e desafios das escolas no retorno às aulas presenciais.