Mudança de status

2 minutos de leitura

Faculdade centenária adventista torna-se universidade na Austrália com foco em pesquisa e serviço à igreja e à sociedade

Brenton Stacey e Juliana Muniz

Fundada em 1897 sob a influência direta de Ellen White, a instituição de ensino é uma das mais antigas do país. Foto: Universidade de Avondale

Com uma história de 124 anos e mais de 12 mil alunos graduados, o que a coloca como uma das instituições de ensino mais antigas da Austrália, Avondale foi a primeira faculdade a se tornar uma universidade de acordo com os novos padrões nacionais australianos, que entraram em vigor em 1º de julho. “Nossa decisão reconhece o compromisso de Avondale com os resultados dos alunos, seu progresso significativo na pesquisa e a contribuição que oferece para as comunidades que atende”, reconheceu Peter Coaldrake, comissário-chefe da agência federal que regula o ensino universitário na Austrália.

A jornada para esse reconhecimento durou mais de 30 anos e implicou investir em pesquisa científica. Nas décadas de 1970, 1980 e 1990, os primeiros cursos de graduação foram autorizados, passando depois por duas solicitações de mudança de status para universidade (1994 e 2006). Em 2012, Avondale já havia alcançado uma proporção de publicações acadêmicas por professor equivalente à média das universidades australianas credenciadas.

Kevin Petrie, reitor da agora universidade, lembrou que a história de Avondale foi construída por muitas gerações. A instituição foi fundada em 1897, sob a liderança de Ellen White, para ser um modelo de escola-fazenda (leia a matéria “Cidade de refúgio”). “Estou determinado a usar nossa nova posição para transformar mais vidas por meio do ensino superior centrado em Cristo. Deus continuará a nos abençoar à medida que continuarmos a ser fiéis ao Seu chamado”, garantiu.

Com a mudança para o status universitário, a instituição comprova que pode oferecer ensino de qualidade com base em pesquisas científicas. Nos últimos anos, Avondale tem se destacado em rankings nacionais no que se refere ao nível de satisfação dos seus alunos e à empregabilidade de seus egressos. Além disso, a instituição tem mantido o foco em áreas de grande interesse para o adventismo, como saúde e bem-estar, educação, Bíblia e espiritualidade cristã.

No fim de maio, a educação adventista também esteve em destaque em nível nacional. Líderes da rede educacional da igreja participaram de um fórum de três dias sobre educação confessional no Parlamento australiano em Camberra, capital do país. Nessa oportunidade, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, apresentou uma palestra de 20 minutos sobre a importância da educação cristã na Austrália.

A fala de Morrison refletiu uma pesquisa encomendada pela rede educacional adventista e outros sistemas de ensino confessionais à empresa ­Cardus Education. O estudo mostrou que a maioria dos egressos de escolas cristãs acredita que a formação que receberam os ajudou a encontrar sentido e propósito na vida.

“Agora, mais do que nunca, a Austrália precisa de jovens que coloquem os outros e o bem comum acima de seus interesses egoístas e que estejam comprometidos em mudar o mundo melhorando primeiro onde vivem. Acredito firmemente que a educação cristã desempenha papel vital na estabilidade do tecido social”, testemunhou na ocasião Kristian Stefani, ex-aluno da educação adventista, que hoje é médico e trabalha com foco em atendimento comunitário.

BRENTON STACEY é diretor de relações públicas na Universidade de Avondale; JULIANA MUNIZ é editora-assistente da revista Adventist Record

(Notícia publicada na edição de agosto de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Indicação governamental

Presidente da Universidade do Norte do Caribe é nomeado membro da Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia da Jamaica.