Atenção

O corpo de Cristo

2 minutos de leitura

Obra destaca a relação simétrica entre adoração, ministério e autoridade na igreja como moldura adequada para o cumprimento da missão

Vinícius Mendes

Adoração, ministério e autoridade. A depender do sentido atribuído a essas três palavras, a face da igreja perante o mundo recebe diferentes contornos. A adoração e a liturgia revelam nossa visão sobre Deus e sobre nós mesmos. Por sua vez, o exercício da autoridade na igreja e o entendimento sobre a natureza do ministério pastoral retratam uma determinada visão de mundo e acabam direcionando certas escolhas no campo da eclesiologia (doutrina da igreja).

Na Bíblia, a igreja é apresentada por meio de metáforas, como o corpo e a noiva de Cristo, rebanho do Senhor, lavoura, edifício e família de Deus, coluna e baluarte da verdade. Essas figuras pretendem traduzir a complexidade do mosaico pelo qual se revela a face de Jesus ao mundo. Instituída por Cristo no primeiro século, a igreja tem uma missão específica: proclamar o evangelho eterno (Ap 14:6-12) ao mundo e ser uma referência para a humanidade. Porém, devido à fragmentação do mundo cristão e às diferentes cosmovisões que coexistem na cristandade, é essencial saber qual é a compreensão de igreja que emerge das Escrituras.

Para oferecer uma visão abalizada sobre eclesiologia adventista, o Instituto de Pesquisa Bíblica (BRI, na sigla em inglês) produziu uma série de três livros. A Igreja: Adoração, Ministério e Autoridade (CPB, 2020, 476 p.) é a obra que conclui a sequência. Organizado pelo então diretor do BRI, Ángel Manuel Rodríguez, e escrito por um time altamente qualificado de teólogos, o livro provê uma visão bíblica sobre a eclesiologia adventista. Message, Mission and Unity of the Church e Teologia do Remanescente (CPB, 2012, 256 p.) compõem a trilogia.

Em tempos em que a adoração e a liturgia têm sido encaradas por muitos como um produto mercadológico e, por isso, adaptável ao “gosto do freguês”, ao longo de dez capítulos A Igreja apresenta esse tema a partir de uma perspectiva bíblica e histórica.

Os demais oitos capítulos do livro tratam do ministério e da autoridade na igreja e respondem a perguntas como: Existe diferença essencial entre um pastor ordenado e um leigo? A resposta a essa e outras questões encaminham o debate para uma posição equilibrada. Nas Escrituras, não há nem o poder quase que inalienável da ordenação (catolicismo) nem a diluição da autoridade pastoral em uma estrutura eclesiástica enfraquecida e que tende a secularizar o ofício ministerial (protestantismo).

No centro, a Bíblia apresenta o ministério pastoral como santo e tendo sua autoridade fundamentada exclusivamente em Deus, nas Escrituras e no reconhecimento da igreja. A autoridade da liderança eclesiástica, portanto, resulta de uma vida conformada com os princípios bíblicos e não em um suposto poder místico da ordenação.

Precisamos muito de uma visão equilibrada sobre adoração, ministério e autoridade. A compreensão apropriada desses pontos emoldura os traços da face de Cristo em uma relação harmônica com Seu corpo, a igreja. É esse belo retrato que proclama com poder a última mensagem de advertência ao mundo.

TRECHOS

“A adoração inclui a lembrança dos atos salvíficos de Deus, o compromisso atual e a antecipação de um futuro com Ele e uns com os outros. É histórica, contemporânea e profética” (p. 149).

“Uma vez que o ministério cristão consiste em uma extensão do ministério de Cristo, sua fonte suprema de autoridade é Deus. […] A autoridade se origina em Deus e vem aos seres humanos somente por delegação, por intermédio da igreja em harmonia com as Escrituras” (p. 301, 302).

VINÍCIUS MENDES é editor de livros na CPB

(Resenha publicada na seção Estante da edição de novembro de 2020)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Motivo para sorrir

Primeiro curso de Odontologia oferecido na rede educacional adventista sul-americana celebra formatura histórica.