O fator crença

2 minutos de leitura

Simpósio internacional organizado pelo Unasp reúne virtualmente pesquisadores que estudam a relação entre fé e saúde

Aira Annoroso
O doutor Harold Koenig, da Universidade de Duke (EUA), foi um dos principais apresentadores do evento, que reuniu também pesquisadores do Brasil, Chile e México. Foto: reprodução

Quando se pensa nos estudos sobre espiritualidade e saúde, área que vem ganhando destaque nas últimas décadas, é fácil chegar ao nome do psiquiatra norte-­americano Harold Koenig, da Universidade de Duke (EUA). “O doutor Koenig é alguém renomado, já publicou mais de 40 livros e 400 artigos”, destacou a doutora Gina Abdala, organizadora do simpósio internacional e uma das professoras do mestrado profissional em Promoção da Saúde do Unasp.

E foi o Unasp que organizou, no dia 7 de dezembro, esse evento on-line que reuniu dezenas de pesquisadores do Brasil, Chile, México e Estados Unidos. A programação do encontro, cujo principal palestrante foi o doutor Koenig, teve como objetivo discutir o que as pesquisas científicas estão mostrando sobre a relação entre fé e saúde, e como a espiritualidade pode ser contemplada num atendimento que vise ao bem-estar integral do paciente.

Mencionando obras de referência, como Religion and Mental Health: Research & Clinical Applications (Academic Press, 2018) e o Handbook of Religion and Health (Oxford University Press), que ganhará nova versão neste ano, o doutor Koenig enfatizou que a espiritualidade pode ser uma das principais ferramentas no enfrentamento dos efeitos emocionais da pandemia.

O professor da Universidade de Duke lembrou que a crise atual fez com que muitas pessoas desenvolvessem depressão, ansiedade e diversas síndromes. Fez com que também aumentasse o consumo de drogas lícitas e ilícitas, como uma alternativa para reduzir o estresse. Em contrapartida, o que as pesquisas sobre espiritualidade apontam é que as pessoas praticantes de alguma religião tendem a consumir menos psicotrópicos, praticar mais exercícios físicos, alimentar-se melhor e apresentar mais otimismo em relação à população em geral.

“O sistema imunológico é o principal meio pelo qual o corpo se protege de infecções, particularmente infecções virais. Portanto, precisamos lidar com a preocupação desse estresse. E a fé religiosa é normalmente usada para lidar com os estressores na vida”, ressaltou Koenig, ao refletir sobre a importância do cuidado com a imunidade neste momento.

Destaque também para a apresentação dos doutores ­Esteban Quiyono e Víctor Korniejczuk, da Universidade de Montemorelos, no México, que apresentaram uma metodologia de mensuração da espiritualidade que tem sido desenvolvida por um grupo de universidades seculares na França. A ideia é ter um instrumento que ajude na medição do coeficiente de espiritualidade para aplicação no contexto de saúde pública.

Além do simpósio internacional, o Unasp promoveu, no fim de outubro, o 4º Congresso Brasileiro Interdisciplinar de Promoção da Saúde, que reuniu virtualmente mais de 90 palestrantes de quatro universidades brasileiras que também oferecem um programa stricto sensu em Promoção da
Saúde. As apresentações do evento podem ser conferidas on-line (youtube.com/unaspec). Parte das discussões do encontro resultou no livro Cenários Contemporâneos da Promoção da Saúde (Unaspress, 2020).

AIRA ANNOROSO é assessora de comunicação do Unasp, campus São Paulo

(Matéria publicada na edição de janeiro de 2021 da Revista Adventista)

Última atualização em 8 de janeiro de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Leitura selecionada

Saiba quais são os livros escolhidos para o próximo ano.