Atenção

Os adventistas e a política

2 minutos de leitura
Recomendações da igreja a respeito das eleições, apoio partidário, candidaturas de membros e manifestações públicas
Helio Carnassale
Foto: AdobeStock

Com a proximidade da realização de eleições gerais em vários países que formam a Divisão Sul-Americana (DSA) da Igreja Adventista, identificou-se a necessidade de preparar uma declaração que tratasse da relação da igreja com os assuntos de natureza política. Diante dessa demanda, o documento “Os adventistas e a política” foi elaborado para servir como um guia conciso para pastores, funcionários e membros da igreja.

O documento não pretende substituir os conselhos divinos, mas sim expressar a compreensão que a liderança da denominação na América do Sul tem no momento acerca do relacionamento institucional com os poderes públicos e os assuntos políticos, bem como os deveres dos adventistas como cidadãos.

Para se chegar a essa declaração foi estabelecido um grupo de trabalho com administradores das sedes da igreja, advogados, comunicadores, educadores, jornalistas, pastores, sociólogos e teólogos. Esses profissionais deram importantes contribuições mencionando situações anteriormente enfrentadas pela igreja, propondo procedimentos práticos e revisando a redação final do documento.

Por se tratar de um tema sensível e com potencial para muitos tipos de repercussão, trabalhou-se para que o documento fosse equilibrado, claro e abrangente, contemplando assim a realidade do cenário sociopolítico atual na América do Sul e as orientações do Manual da Igreja, do Livro de Regulamentos e das declarações oficiais da denominação.

O documento considera a relação dos adventistas com quatro questões: (1) política partidária; (2) eleições; (3) candidatos adventistas; e (4) manifestações públicas. Cada seção é composta de considerações e recomendações. O documento foi votado (voto 2017-220) no Concílio Anual realizado em novembro de 2017, que aprovou o texto que está disponível no Portal Adventista.

A Bíblia nos motiva a respeitar as autoridades, orar por elas e buscar o bem da sociedade (Jr 29:7; Rm 13:1-7; 1Tm 2:1-3). Nesse contexto, a igreja orienta que seus membros votem de acordo com a consciência individual, que escolham candidatos que defendam os princípios da qualidade de vida e da saúde, do modelo bíblico de família, dos valores éticos e morais, da liberdade religiosa e da separação entre Igreja e Estado.

Reconhecemos o papel legítimo dos governos, respeitamos o direito do Estado de legislar nas questões seculares e consentimos com essas leis quando não contrariam os preceitos bíblicos. Entendemos também que nossos membros devem assumir responsabilidades civis com seriedade e exercer o papel de cidadãos, mas sem se esquecerem da cidadania celestial.

Não desmerecendo a importância das questões políticas, entendemos ser o verdadeiro papel da igreja desenvolver práticas que resultem no fortalecimento da fé e promovam a esperança na iminente volta de Cristo. Reconhecemos que a pregação do evangelho envolve ações de solidariedade que expressem amor e minimizem o sofrimento humano. Por isso, cremos que todo esforço deve ser canalizado para o serviço desinteressado em favor das pessoas, revelando assim profundo interesse na salvação delas.

HELIO CARNASSALE é o diretor do departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da sede sul-americana da Igreja Adventista

(Artigo publicado na edição de setembro de 2018)

LEIA TAMBÉM: Os adventistas e as eleições

Última atualização em 28 de setembro de 2018 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.