Os cristãos e os pets

5 minutos de leitura

Qual deve ser nossa atitude em relação aos animais domésticos?

Milton Andrade

Foto: Adobe Stock

O mundo passa por uma crise ecológica sem precedentes que ameaça a vida no planeta. Enquanto cresce a quantidade de reuniões entre cientistas, políticos e líderes religiosos visando à preservação da nossa “casa comum”, há o aumento da emissão de gases de efeito estufa, do consumo de animais e, é claro, da ganância do ser humano. Um volume considerável de livros, artigos e documentários tem sido produzido nas últimas décadas alertando a população sobre a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente.

Anualmente, desaparecem cerca de cinco mil espécies de organismos no planeta, e com eles se perdem informações fundamentais para o futuro da vida. Não apenas a extinção dos animais tem despertado a atenção dos cientistas, mas também a velocidade com que ela ocorre.

Em meio a tantas preocupações com o meio ambiente, emerge uma questão importante: qual deve ser a postura do ser humano no trato com os animais? Veremos que os extremos devem ser evitados: a desvalorização e a supervalorização dos animais.

Desvalorização dos animais

Em 2019, foram mortos no Brasil 32,4 milhões de cabeças de bovinos, 5,8 bilhões de aves e 46,3 milhões de porcos (para saber mais, clique aqui). O abate geralmente ocorre em matadouros, onde os animais são submetidos a asfixia, tiros na cabeça, choques elétricos, golpes de marreta e escaldagem, entre outros procedimentos brutais.

Ao longo dos séculos, pessoas têm se posicionado contra essa atividade exploratória (ver Lília M. V. A. P. Cadavez, “Crueldade contra os animais: uma leitura transdisciplinar à luz do sistema jurídico brasileiro”, Direito & Justiça 34 [2008], p. 88-120). No antigo Egito, o papiro de Kahoun revela preocupação com o cuidado e a cura dos animais. No Código de Hamurabi, são encontradas normas que preveem obrigações dos humanos em relação à saúde dos animais. O filósofo grego Pitágoras, o primeiro a falar sobre o direito dos animais, questionou o consumo desenfreado de carne e a matança excessiva dos seres vivos. Outras personalidades como Francisco de Assis, Jeremy Bentham, Peter Singer e Tom Regan também se opuseram ao “especismo” (discriminação humana com as outras espécies) e defenderam a causa animal. A própria Constituição brasileira, promulgada em 1988, é considerada “ambientalista”.

A Bíblia, por sua vez, afirma que Deus valoriza os animais (Sl 36:6; 104:10-12; 26-30) e aponta que os seres humanos devem ser bondosos com eles (Nm 22:27-32; Pv 12:10). Na lei mosaica, Deus incluiu regras relacionadas ao tratamento dos animais. Deuteronômio 25:4 diz: “Não amarrem a boca do boi quando estiver pisando o trigo”. Segundo o Comentário Bíblico Adventista, “este preceito mosaico não só protegia o animal de um tratamento cruel, mas tinha o propósito de inculcar a bondade – traço incomum entre os pagãos” (CPB, 2013, v. 1, p. 1145).

No livro Beneficência Social, Ellen White concorda com essa prescrição divina: “Embora a lei de Deus requeira supremo amor a Deus e amor imparcial ao próximo, o vasto alcance dos seus reclamos toca também às criaturas mudas que não podem expressar em palavras suas necessidades e sofrimentos. […] Aquele que ama a Deus não somente amará o seu semelhante, mas considerará com terna compaixão as criaturas que Deus fez” (p. 48).

A autora inspirada demonstrou cuidado pelos animais não somente em seus escritos, mas também na vida prática. James Nix afirma que, “quando criança, Ellen usava as pequeninas mãos para ajudar a irmã gêmea, Elizabeth, a passar por cima de troncos ou desatolar a vaca leiteira da família” (Alberto Timm e Dwain Esmond [eds.], Quando Deus Fala [CPB, 2017], p. 419). Ela não suportava “ver animais sendo maltratados porque, como dizia, ‘eles não podem nos contar seus sofrimentos’” (p. 426).

Enquanto morou na Austrália, Ellen White teve um cachorro chamado Tiglate-Pileser (nome do rei Assírio). Embora o mantivesse fora dos cômodos de sua casa, Ellen White dispensava ­carinho especial a ele, a quem carinhosamente chamava de “Tig”.

No entanto, Ellen White alertou quanto ao amor excessivo aos animais em detrimento da valorização do ser humano: “Há nas grandes cidades multidões que recebem menos cuidado e consideração do que os que são concedidos a mudos animais” (A Ciência do Bom Viver, p. 189). Sobre essa tendência, observa-se na sociedade atual um estranho e perigoso paradoxo, como declarou Richard Klein (“The power of pets”, The New Republic, 10 de julho de 1995): a animalização dos seres humanos e a humanização dos animais. Ambos os extremos são perigosos.

Supervalorização dos animais

Os brasileiros amam os pets. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação, o Brasil tem a segunda maior população de cães, gatos e aves ornamentais do mundo e é o terceiro maior país em população total de animais de estimação. O país tem mais cães e gatos do que crianças em seus lares. Em 2019, o Brasil se tornou o quarto maior mercado pet do mundo, cujo setor faturou 22,3 bilhões de reais. Atualmente, ele representa 0,36% do PIB brasileiro.

Embora demonstrar afeto pelos animais seja uma iniciativa bela e elogiável, vários estudos advertem quanto ao perigo de colocá-los no mesmo patamar dos seres humanos

Há algumas décadas, essa “explosão pet” não era uma realidade na cultura ocidental. No início da modernidade, a ideia de família era exclusivamente humana. As relações de proximidade com animais eram proibidas. A presença de animais de estimação provocava suspeita moral, principalmente se fossem admitidos à mesa ou no quarto. Entretanto, hoje se fala em “famílias multiespécies”. Nessa nova configuração, cães, gatos e até ratos passam por um processo civilizatório: recebem nome próprio, ganham roupas, brinquedos, cama confortável (ou dormem na cama dos donos), têm página nas redes sociais, passeiam em shoppings, frequentam spas e hotéis, recebem herança dos donos e até são “estrelas” em filmes de Hollywood. É a onda pet ­friendly, uma espécie de fetiche da sociedade urbana contemporânea.

Embora demonstrar afeto pelos animais seja uma iniciativa bela e elogiável, vários estudos advertem quanto ao perigo de colocá-los no mesmo patamar dos seres humanos, considerando-os “filhos” ou “amigos”. Segundo Fernando Delarissa, “percebemos que muitas das vezes os animais são utilizados como uma alternativa para se esquivar dos contatos humanos, tidos como traumáticos e angustiantes” (“Animais de estimação e objetos transicionais”, dissertação de Mestrado em Psicologia, Unesp, 2003, p. 50). É mais fácil amar os pets do que os seres humanos, pois não há crítica, confronto de ideias nem adaptação de gostos e personalidades.

No âmbito espiritual, existe outra questão ainda mais crucial: Será que o amor aos pets (atenção, cuidado, tempo e dinheiro investidos) tem superado o amor a Deus e ao próximo (Mt 22:36-40)? Nas palavras de George Knight, “pecado é amor direcionado para a coisa errada. É amar mais a criatura do que o Criador” (Pecado e Salvação [CPB, 2016], p. 40). Não estariam os cristãos errando ao devotarem aos seus animais uma atenção exagerada? Pode-se também argumentar que essa seja uma inversão de valores: em vez de exercer domínio, o ser humano passa a ser “dominado” pelos animais. Para entender essa questão, precisamos voltar às origens.

Domínio equilibrado

Após ter criado o ser humano à Sua imagem (Gn 1:27), Deus ordenou que ele “sujeitasse” e “dominasse” a Terra (Gn 1:28), além de “cultivar” e “guardar” o Jardim do Éden (Gn 2:15). Essas ordens, como visto pelo uso dos próprios verbos, carregam uma função real, como se o homem fosse um suserano sobre a Terra ou um tipo de sacerdote servindo num santuário. Deus é o Dono (Sl 24:1); o ser humano é um administrador. Laurence Turner destaca que o verbo radah (“dominar”) aparece apenas em Gênesis 1:26-28 e “trata-se de um verbo usado para descrever o relacionamento de superiores com inferiores, tais como senhores com seus servos, e chefes com trabalhadores” (­Anúncios de Enredo em Gênesis [TMR, 2017], p. 20).

A relação entre as pessoas e os pets deve ser de proteção e cuidado. Deus não criou os seres vivos para serem explorados pelo homem. Animais não são coisas, mas também não são seres humanos. Nosso dever é cuidar do planeta com equilíbrio e responsabilidade, como se estivéssemos cuidando de nós mesmos.

MILTON ANDRADE, pastor e mestre em Teologia, é editor na CPB

(Artigo publicado na Revista Adventista de abril de 2022)

Última atualização em 12 de abril de 2022 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Perfil pastoral

Pesquisa mostra quem são os pastores que lideram as congregações adventistas na América do Sul.