Pegadas de dinossauros

2 minutos de leitura

Projeto paleontológico ajuda os adventistas em análise histórica sem contradições com as Escrituras

Instituto de Pesquisa em Geociência e Adventist World

Pesquisadores adventistas com o vice-presidente da Bolívia, David Choquehuanca Céspedes (centro), e outros líderes do governo. Foto: GRI

David Choquehuanca Céspedes, vice-presidente boliviano, visitou o sítio de pesquisas de dinossauros, local de pesquisa do Instituto de Pesquisa em Geociência (GRI, na sigla em inglês) na Bolívia, em março de 2022. O GRI é um órgão vinculado à Igreja Adventista que realiza estudos para a difusão da filosofia das origens.

O tour aconteceu no sítio de Carreras Pampa, próximo à cidade de Torotoro. Essa localidade contém o que parece ser o recorde mundial de pegadas de dinossauros. Além de outras marcas misteriosas, interpretadas como impressões de arrasto das caudas feitas pelos animais.

Quem recebeu os visitantes foi o cientista sênior Raúl Esperante, que trabalha com estudantes de pós-­graduação da Universidade de Loma Linda, pesquisadores locais e de outros países sul-americanos. Esperante explicou como foi a visita de campo de 30 minutos feita pelo vicepresidente boliviano e seu grupo, a qual contou com a participação do diretor do Serviço de Parques Nacionais da Bolívia, Teodoro Mamani. “Os representantes do governo estavam particularmente interessados em ações de melhoria da preservação dos sítios e, portanto, discutimos o que tem sido feito em outros países, inclusive nos Estados Unidos, Espanha e Itália. Também oferecemos ajuda na preparação da sinalização com explicações e descrições para os visitantes.”

Além disso, o vice-presidente também demonstrou interesse no treinamento de pesquisadores bolivianos. Essa posição é compartilhada com o GRI, pois a instituição entende que a melhor maneira de fazer isso é por meio da colaboração com vistas a novos recursos para o crescimento econômico das comunidades. Por isso, procura assegurar que os pesquisadores adventistas sejam orientados a investigar profissionalmente as evidências que locais como o da Bolívia fornecem sobre o passado, tanto que o atual grupo de pesquisa inclui duas jovens geólogas bolivianas adventistas, Helen Baltazar e Ángela Limachi.

Outro estudante presente nas pesquisas do sítio em Carreras Pampa é Jeremy McLarty. Ele representa a estreita colaboração da academia com os sítios bolivianos porque recentemente finalizou seu mestrado pela ­Universidade Andrews e segue nos estudos de campo. “Estudar as trilhas de dinossauros na Bolívia tem sido uma oportunidade incrível para mim. Encontramos aqui coisas que parecem ser singulares no mundo”, comenta McLarty.

POR QUE INVESTIR NA PESQUISA DE DINOSSAUROS

O GRI, cuja sede está localizada em Loma Linda, Califórnia, Estados Unidos, é um instituto da Igreja Adventista dedicado ao estudo de questões relacionadas à ciência e à fé. O estudo dos caminhos dos dinossauros na Bolívia é um exemplo de como colocar em prática a missão da investigação científica.

De acordo com o diretor do GRI, Ronny Nalin, “há visões profundamente diferentes sobre o que aconteceu no passado, e alguns interpretam as evidências disponíveis de maneiras que contradizem o registro da história encontrado nas Escrituras. É por isso que o Instituto de Pesquisa em Geociência está interessado nessa pesquisa realizada em solo boliviano, pois ela nos ensina muito sobre as evidências primárias do registro fóssil e os princípios de interpretação que levam a várias conclusões”.

(Notícia publicada na edição de junho da Revista Adventista / Adventist World)

Última atualização em 18 de junho de 2022 por Márcio Tonetti.

Sobre Da Redação

Da Redação
Equipe da Revista Adventista

Veja Também

Reconhecimento

1 minuto de leitura Crédito da imagem: Reprodução da revista Time Um menino adventista de …