Profecias para nosso tempo

2 minutos de leitura
Livro auxiliar da Lição da Escola Sabatina ajuda a igreja a entender as predições bíblicas mais importantes para o adventismo
Adriana Seratto
Foto: Divulgação CPB

O contexto mundial, permeado de conflitos, egoísmo e falta de amor, faz com que um dos livros mais estudados e debatidos da Bíblia em todos os tempos – o de Daniel – receba cada vez mais atenção, tornando-se relevante não apenas para entender as profecias reveladas no tempo do autor bíblico, mas para retratar o Deus que está no controle da igreja e do mundo.

Mesclando história e profecia, a mensagem do profeta desafia o leitor a entender o significado histórico e espiritual de feras híbridas, sonhos misteriosos e números simbólicos, como as 2.300 tardes e manhãs (Dn 8:14) e as 70 semanas (Dn 9:24-27). Em O Livro de Daniel, recentemente lançado pela CPB (2019, 135 páginas, R$ 22,60), esse desafio se torna mais fácil e instigante.

Nessa obra, escrita pelo teólogo brasileiro Elias Brasil de Souza, que trabalha como diretor do Instituto de Pesquisa Bíblica (BRI, em inglês) da sede mundial adventista, a divisão de 13 capítulos segue basicamente a estrutura do livro bíblico. O material oferece chaves de interpretação, informações históricas e literárias, análises textuais e aplicações para a atualidade. Você também pode contar com uma interpretação segura das profecias de Daniel, de acordo com uma perspectiva historicista.

Produzido para complementar a Lição da Escola Sabatina dos adultos deste primeiro trimestre de 2020, o livro tem importância por si só e poderá ser guardado para consultas posteriores e utilização em estudos bíblicos e sermões. Enxergar o Deus todo-poderoso dos tempos de Daniel nas páginas sagradas certamente enriquecerá a visão espiritual do leitor e o ajudará a se preparar melhor para os desafios futuros. ]

ADRIANA SERATTO, graduada em Letras e pós-graduada em Estudos Adventistas, é revisora de livros na CPB

TRECHOS

“Para entender o livro de Daniel, precisamos ter um conhecimento que vai além da história e das datas relacionadas às suas profecias; devemos lê-lo para aprender sobre o Deus que Se revelou em suas narrativas e profecias” (p. 14).

“Nossa esperança deve estar na pessoa e obra de Jesus Cristo. Por meio de Sua vida, morte e ressurreição, Ele estabeleceu uma ponte entre o Céu e a Terra. Na cruz, Ele despojou ‘os poderes e as autoridades’ e ‘fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz’ (Cl 2:15, NVI). Ele subiu ao Céu para ministrar em nosso favor e permanece como nossa esperança” (p. 133).

(Resenha publicada na edição de janeiro de 2020 da Revista Adventista)

LEIA TAMBÉM

A catedral de Notre-Dame e as profecias

Última atualização em 20 de janeiro de 2020 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Iniciativas de fé

Federação de Empreendedores Adventistas avalia seus 30 anos de atuação e reformula seu programa na TV Novo Tempo.