Rota de fuga

3 minutos de leitura

Livro narra a incrível história de um adventista que salvou judeus e militares aliados durante a Segunda Guerra Mundial

André Vasconcelos

“Quem salva uma vida salva o mundo inteiro”, diz o famoso ditado judaico. Esse adágio, que na verdade é uma citação da Mishná (Sanhedrin 4:5), resume muito bem o espírito altruísta que marcou a trajetória do adventista Johan Hendrik Weidner (1912-1994), mais conhecido como John Henry Weidner, cuja vida é narrada no livro Um Justo Entre as Nações, de Herbert Ford (CPB, 2021, 296 páginas).

Entre 1940 e 1944, ele ajudou a res­gatar cerca de 800 judeus e 100 pilotos aliados. Weidner criou uma rede de fuga clandestina, a Dutch-Paris, que levava refugiados desde a Holanda até a Suíça ou a Espanha, atra­vessando a Bélgica e a França. Muitas dessas missões de res­gate foram realizadas por ele mesmo e envolveram grande risco. Por vezes foi necessário escalar montanhas cobertas de neve e fazer longas caminhadas à noite. Em outras ocasiões, foi preciso escapar da prisão, sal­tar de um trem em movimento, mergulhar em um rio enquanto atiravam em sua direção e fugir de soldados alemães esquiando montanha abaixo.

Em tempos de intolerância, desrespeito e violência, a história do capitão Weidner é um lembrete de nossa missão para com o próximo

Algumas das pessoas auxiliadas por sua organização foram o conde François de Menthon, Xavier de Gaulle e Bob van der Stok. François foi um dos promotores do Tribunal Militar Internacional de Nuremberg, corte criada pe­los países aliados para julgar os crimes contra a humanidade cometidos pelos nazis­tas. Xavier era irmão do grande general Charles de Gaulle, líder da Resistência Francesa e futuro presidente da nação. E Bob foi um dos três prisioneiros do campo de concentração Stalag Luft III, em Sagan, na Baixa Silésia, que conseguiram fugir da prisão e chegar à Inglaterra. Essa fuga entrou para a história como uma das mais impressionantes da guerra, já que os prisioneiros escaparam de um campo de segurança máxima por meio de um túnel subterrâneo escavado por eles mesmos.

Em 1978, o Estado de Israel condecorou John Weidner com a Medalha dos Justos Entre as Nações, um título atribuído aos gentios que arriscaram a vida para salvar judeus durante o Holocausto. Na mesma ocasião, ele plantou uma árvore na Avenida dos Justos, uma honra reservada a poucas pessoas.

Em tempos de intolerância, desrespeito e violência, a história do capitão Weidner é um lembrete de nossa missão para com o próximo. Afinal, a própria Bíblia nos encoraja a agir em favor dos oprimidos: “Liberte os que foram injustamente condenados a morrer; salve-os enquanto vão tropeçando para a morte. Não se desculpe, dizendo: ‘Não sabia o que estava acontecendo’; lembre-se de que Deus conhece cada coração. Aquele que zela por sua vida sabe que você estava ciente; Ele retribuirá a cada um conforme suas ações” (Pv 24:11, 12, NVT).

Ao ler essa história empolgante, você vai se emocionar com o altruísmo desse “justo” que se arriscou para salvar quem estava em perigo.

TRECHO

“John Weidner salvou a vida dos meus pais; salvou minha vida; salvou a vida de inúmeras pessoas, muitas delas judias. Porém, fez ainda mais do que isso; ele nos deu abrigo, alimento e a coragem de que necessitávamos. John se tornou um símbolo vivo de um homem dedicado ao próximo” (p. 8). Helene M. Cornelisse, sobrevivente do Holocausto

ANDRÉ VASCONCELOS é pastor e editor de livros na CPB

(Resenha publicada na seção Estante da edição de julho de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Novas leituras

As hermenêuticas alternativas e suas implicações para a igreja.