Atenção

Simpósio na ONU

2 minutos de leitura
Representantes de diversas denominações discutem o papel das igrejas no desenvolvimento humanitário
Ganoune Diop, diretor de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista do Sétimo Dia, foi um dos moderadores de painéis que discutiram questões práticas e éticas relacionadas ao financiamento do desenvolvimento humanitário. Foto: Bettina Krause

Com foco nas questões práticas e éticas que envolvem o financiamento do desenvolvimento humanitário, o 5º Simpósio Anual sobre o Papel das Organizações Religiosas em Assuntos Internacionais reuniu 300 representantes de uma ampla gama de organizações, incluindo grupos protestantes, católicos, islâmicos e judeus. O encontro realizado no dia 29 de janeiro na sede da ONU em Nova York (EUA) foi organizado em parceria com a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Como foi enfatizado no evento, os grupos religiosos não mobilizam somente fundos e recursos, mas podem exercer um papel importante nas políticas em torno do financiamento humanitário.

“Uma ‘economia da vida’ coloca a vida humana diante das corporações e dos lucros e investe no desenvolvimento sustentável”, disse Ganoune Diop, diretor de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista, na abertura do evento. “Trata-se de salvar vidas e apoiar uma vida abundante; de criar condições que sustentem uma vida digna; e de promover parcerias em muitos setores da sociedade para fazer a vida florescer para todos”, enfatizou o líder adventista, um dos idealizadores do simpósio.

Ao longo das apresentações foi enfatizado que as igrejas podem ter uma participação mais efetiva em relação à Agenda 2030 (metas estabelecidas pela ONU para o desenvolvimento sustentável). Em setembro de 2015, representantes dos 193 Estados-membros da ONU se reuniram em Nova York e reconheceram que a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, incluindo a pobreza extrema, é o maior desafio global e um requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável.

“As organizações fundamentadas na fé são muito importantes para a sociedade, pois são uma das principais plataformas para a organização do indivíduo e fornecem a bússola moral para nossas sociedades”, disse Lazarous Kapambwe, representante permanente da Zâmbia na ONU e um dos membros do painel.

De acordo com Diop, o evento se tornou uma grande oportunidade de estabelecer um diálogo entre as demais organizações religiosas e os funcionários da ONU sobre preocupações e objetivos que cada grupo tem, bem como de criar estratégias para trabalhar juntos de forma eficaz.

“Para nós, adventistas do sétimo dia, a reunião oferece uma tremenda oportunidade de ouvir a comunidade internacional e compartilhar nossa perspectiva única, refletidas pelos nossos valores bíblicos e visão de mundo”, ele ressaltou. [Equipe da Adventist Review / Com reportagem de Mateus Teixeira]

Última atualização em 12 de março de 2019 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.