Atenção

Tijolo ecológico

1 minuto de leitura
Unasp firma parceria com a Prefeitura de Campinas e empresas privadas visando à produção de tijolo ecologicamente correto 
Parceria foi firmada entre o Unasp, a prefeitura de Campinas, terceira maior cidade do Estado de São Paulo, e empresas do interior paulista. Foto: Divulgação/Unasp
Parceria foi firmada na semana passada entre o Unasp, a prefeitura de Campinas, terceira maior cidade do Estado de São Paulo, e empresas do interior paulista. Foto: Assessoria de imprensa da Prefeitura de Campinas

Transformar o lodo descartado no aterro sanitário em tijolo ecologicamente correto é o objetivo de um projeto que envolve o Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP), a prefeitura de Campinas, o Sindicato da Indústria da Construção Civil, a Sanasa (empresa responsável pelo fornecimento de água na região) e a MRV Engenharia.

Artur Sartorti, responsável pelo projeto no campus, conta que a parceria vinha sendo estudada há aproximadamente um ano. “O desafio agora é desenvolver a parte técnica e tornar o projeto viável economicamente”, informa. Segundo ele, a produção da maioria dos “tijolos ecológicos” disponíveis no mercado ainda causa impacto no meio ambiente. “O que se tem hoje no mercado ainda possui muito cimento na composição. O que estamos propondo é um produto que reduza essa porcentagem”, esclarece.

Pastor Paulo Martini, diretor do campus Engenheiro Coelho, discursa durante o
Pastor Paulo Martini, diretor do campus Engenheiro Coelho, discursa durante a cerimônia de assinatura do acordo. O Unasp ficará responsável pela pesquisa de desenvolvimento técnico e estudo da viabilidade econômica. Foto: Assessoria de imprensa da Prefeitura de Campinas

O lodo proveniente das estações de tratamento de água contém agentes biológicos e abiológicos que não podem ser descartados em qualquer lugar. O estudo realizado no Unasp busca encontrar uma forma de transformá-lo em tijolos sustentáveis. Além de minimizar o uso dos aterros sanitários, a prática pode ajudar a reduzir a emissão de gases na atmosfera, já que não seria necessário queimar cimento, o segundo maior poluente na construção civil, atrás somente do aço.

Sartorti ressalta que o projeto deve trazer maior visibilidade para a educação adventista. “É uma oportunidade de testemunho. Agora, pedimos a Deus sabedoria para desenvolver o produto”, completa.

A equipe da instituição, que ficará responsável pela pesquisa de desenvolvimento técnico e estudo da viabilidade econômica, é composta por dez professores e um aluno do curso de Engenharia Civil. [Camila Torres, equipe RA]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.