Uma imagem distorcida

3 minutos de leitura

O grande conflito e o verdadeiro vilão da história

charge do Charlie HebdoEm lembrança ao atentado contra sua sede, ocorrido no dia 7 de janeiro do ano passado, o semanário francês Charlie Hebdo publicou nesta quarta-feira, 6 de janeiro, mais uma de suas polêmicas charges. A capa da edição especial estampa a figura de um deus ensanguentado, com uma metralhadora nas costas e o seguinte título: “Um ano depois, o assassino ainda está à solta”.

A publicação despertou críticas de alguns grupos religiosos ao redor do mundo. Um exemplo disso foi a resposta do Osservatore Romano, diário oficial do Vaticano, que considerou que “usar Deus para justificar o ódio é uma verdadeira blasfêmia”.

Não convém gastar tempo buscando responder aos ataques mordazes feitos pelo periódico francês à religião. Mas o fato me fez pensar na imagem distorcida que alguns têm de Deus, a ponto de retratá-lo como assassino.

No entanto, à luz da Bíblia temos a correta compreensão de quem é, de fato, o vilão da história. O verdadeiro assassino que está foragido, ou que continua à solta, é apresentado nas Escrituras como Lúcifer – nome de origem latina que significa “portador de luz”, mas que, na verdade, se tornou o príncipe das trevas. A Bíblia o descreve como “homicida desde o princípio” e como alguém que odeia a verdade (Jo 8:44).

A mudança de nome e de caráter do “filho do amanhecer”, ou “estrela da manhã”, para “adversário”, ou “acusador”, é um elemento-chave para entendermos como Lúcifer conseguiu inverter os valores, fazendo com que a culpa que deveria cair sobre ele mesmo fosse atribuída a Deus. Em primeiro lugar, é importante relevar que a descida de Lúcifer pelo caminho da escuridão não foi como o acionar de um interruptor que, quando tocado, transforma automaticamente tudo em trevas. Na verdade, o caminho dele foi uma jornada em que a luz desapareceu aos poucos. Esse caminho gradual e, ao mesmo tempo, inexplicável deu origem ao que a Bíblia chama de pecado, o que em linguagem simples é a “quebra da Lei de Deus” (IJo 3:4). Antes do pecado não existia a morte, sendo que “não matar” é um dos fundamentos da lei divina.

Apesar de não existir uma explicação para a origem do pecado, a revelação bíblica estabelece uma base segura para que, acima de qualquer perplexidade, se saiba que Deus não é o responsável pelo seu surgimento. Nesse sentido, em Ezequiel 28:12, o rei de Tiro, um monarca bem-sucedido em sabedoria e riqueza, é usado como um sinônimo perfeito para o entendimento parcial do fenômeno da queda de Lúcifer. A medida que o texto se desenvolve, dos versos 12 a 19, com a descrição da glória e posterior decadência do querubim cobridor, aquele que servia a Deus de maneira direta, junto ao Seu trono, vê-se que o ponto fundamental para a queda foi o orgulho. Como mostra a Bíblia de Estudo Andrews (p. 1.068), esta seção do livro de Ezequiel é organizada como em um espelho, pelo qual se pode ver a condição de Lúcifer antes e depois:

info-artigo-Flavio-2

É exatamente no ponto central desse padrão simétrico (ou quiasma), em que um ser perfeito se entrega à corrupção (Ez 28:15,16), que se estabelece o começo do grande conflito entre Cristo e Satanás, que teve sua origem no Céu e foi transferido para a Terra (Is 14:12-14; Ez 28:12-18; Gn 3), alcançando o seu clímax no momento em que Cristo entra na história como homem (Gl 4:4), travando a batalha diretamente contra seu adversário (Ap 12:4-9). Tendo em vista o princípio unificador do grande conflito, conclui-se que essa guerra envolve todo o universo (1 Co 4:9; Hb 1:13,14) e que todas as criaturas inteligentes são, direta ou indiretamente, afetadas pelo confronto entre os dois poderes que polarizam o bem e o mal (Gn 6-8; 2 Pe 3:5-7).

Conforme argumenta Ranko Stefanovic no livro Revelation of Jesus Christ: commentary on the book of Revelation (p. 135 e 136), o Apocalipse apresenta a solução definitiva para a controvérsia, também em um padrão simétrico em que o ponto central (a subseção de Ap 11:19-13:18) é o mais importante:

info-artigo-Flavio-1

No meio da principal subseção, que apresenta de maneira direta o grande conflito entre Cristo e Satanás, é fornecida a chave para a vitória: “o sangue do Cordeiro” (Ap 12:11). Aqui vemos não “um Deus foragido”, mas alguém que é julgado, condenado e morto mesmo sendo inocente. É exatamente aqui que “Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm 5:8). Aqui não vemos um “Deus assassino que ainda está à solta”, mas um Deus assassinado, que enfrentou a morte de cruz para salvar a humanidade.

FLÁVIO PEREIRA DA SILVA FILHO, mestre em Teologia Bíblica, é pastor e jornalista

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Panorama da igreja no contexto da pandemia

Saiba como foi a última reunião de líderes mundiais da denominação.