Vacinas contra a Covid-19

3 minutos de leitura

Especialistas tiram dúvidas sobre imunizantes que estão sendo produzidos para combater o coronavírus

Foto: Adobe Stock

Muitos esforços têm sido feitos para estabelecer uma abordagem confiável e embasada em evidências para o tratamento da Covid-19. Além disso, e em tempo recorde, foram produzidas vacinas que já começam a ser aplicadas na população de algumas regiões da América do Norte e Europa. No início do mês, o Reino Unido foi o primeiro país ocidental a autorizar o uso emergencial de uma vacina contra o coronavírus, seguido pelo Canadá e pelos Estados Unidos. Segundo publicou a revista Istoé (ed. 30 de dezembro), na penúltima semana do ano, cerca de dois milhões de pessoas tinham sido imunizadas no mundo na que deve ser a maior campanha de vacinação da história.

No entanto, ao mesmo tempo que gera otimismo, esse cenário também suscita dúvidas e muita desinformação. Tendo isso em vista, adaptamos o trecho de um material publicado pela Adventist Review que pode ser útil aos leitores da Revista Adventista brasileira. As perguntas e respostas a seguir são relacionadas às vacinas produzidas pela Pfizer/BioNtech e pela farmacêutica Moderna, especificamente, e foram formuladas pela equipe da Loma Linda University School of Public Health (LLUSPH), em conjunto com Michael Hogue, reitor da Escola de Farmácia da universidade adventista norte-americana e membro da Comissão Consultiva da Força-Tarefa sobre Práticas de Vacinação Contra Covid-19 do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês). Embora ainda não se saiba ao certo quais imunizantes serão distribuídos no Brasil, essas informações podem ajudar a esclarecer dúvidas comuns.

Vacinas de DNA e RNA (também chamadas de vacinas genéticas) contra coronavírus causam alterações nos genes?

As duas vacinas mencionadas usam o chamado RNA mensageiro. Embora esse tipo de vacina tenha sido aprovado pela primeira vez para uso em massa no combate à Covid-19, a tecnologia já vem sendo empregada em tratamentos médicos nos últimos 15 anos. Funciona assim: a vacina entra no citoplasma da célula (o fluido dentro da célula), onde estimula a produção de anticorpos para combater o peplômero da proteína SARS-CoV-2, cuja função é mediar a interação vírus-célula. Uma vez que não entra no núcleo da célula hospedeira, ela NÃO altera o DNA nem a estrutura ou função genética.

Essas vacinas são seguras e eficazes, uma vez que foram desenvolvidas tão rapidamente?

Graças aos avanços tecnológicos, o vírus SARS-CoV-2 foi sequenciado poucos dias após ser identificado e o trabalho para produzir uma vacina começou imediatamente. A grande amostra do estudo é de 40 mil pessoas (normalmente, a amostra média do estudo da Food and Drug Administration, agência reguladora norte-americana, é de apenas 27 mil). Os dados estão sendo monitorados cuidadosamente.

A primeira dose indicou uma proteção de 50% da resposta imunológica. Já a segunda dose alcançou 95% de proteção. Apenas a vacina da hepatite A tem uma taxa superior, de quase 100%. O estudo foi bem desenhado e representou bem a demografia dos Estados Unidos, com exceção dos povos indígenas, situação que o estudo atual está trabalhando para corrigir. A eficácia e os efeitos colaterais das vacinas da Pfizer/BioNtech e da Moderna foram semelhantes em todos os grupos étnicos. Mas vale ressaltar que elas não são intercambiáveis, ou seja, se a pessoa começa com uma, a segunda dose tem que ser da mesma marca. Para a vacina da Pfizer, há um intervalo de 21 dias entre as doses. Já para a vacina da Moderna, o intervalo deve ser de 28 dias. Outra informação importante é que elas não estão licenciadas para uso durante a gravidez ou em pessoas menores de 16 anos de idade.

Os ingredientes e conservantes das vacinas são perigosos?

Não há conservantes nessas duas vacinas para a Covid-19. É por isso, inclusive, que precisam ser armazenadas e transportadas em temperaturas muito baixas.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Até agora, 10% dos indivíduos relataram febre no segundo dia e, em 24 horas, 50% a 60% relataram alguma dor. Até agora, não houve efeitos colaterais graves envolvendo a vacina da Pfizer/BioNtech, embora tenham sido relatados três casos de reações alérgicas significativas (anormalmente baixos; provavelmente devido à ausência de conservantes).

Quem já foi infectado pelo vírus pode receber a vacina?

Se uma pessoa já testou positivo para Covid-19, poderá ser vacinada. Isso aumentará os níveis de anticorpos.

(Adaptada da versão publicada originalmente no site da Adventist Review)

LEIA TAMBÉM: Igreja Adventista divulga declaração oficial sobre vacinação

Última atualização em 4 de janeiro de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Emenda constitucional

Igreja permitirá que delegados participem remotamente de assembleias mundiais em contextos de exceção como o que o mundo está vivendo na pandemia.