Atenção

Revista Vida e Saúde trata sobre implicações do uso da internet

1 minuto de leitura

Reportagem de capa da edição de fevereiro mostra algumas das implicações pessoais, familiares e sociais da experiência de estar sempre conectado à internet 

Revista Vida e Saúde Agosto 2011O mundo passou por grandes transformações com a popularização da internet. Essas mudanças vêm afetando o modo como as pessoas se relacionam e consomem, além de alterar as noções de tempo e espaço. Segundo autores como Nicholas Carr, a internet também está provocando mudanças significativas no cérebro humano. Um desses reflexos seria a perda de concentração, conforme mostra em seu livro The Shallows – what the internet is doing to our brains (Os Superficiais- o que a internet está fazendo com nossos cérebros). O tema, que divide opiniões e para o qual ainda existem mais perguntas que respostas, é explorado na edição de fevereiro da revista Vida e Saúde. A reportagem de capa do periódico discute a relação do ser humano com a tecnologia, analisando os prós e contras da tendência de estar sempre conectado.

Segundo mostra o texto, os especialistas vem tentando descobrir como o cérebro tem reagido em meio à imersão tecnológica e de que maneira ele está se adaptando diante desse novo cenário. “Desde a capacidade atencional, que é a habilidade de concentrar no que é primordial, até a velocidade com que precisamos processar grande número de informações, são aptidões a ser reorganizadas neste cenário ímpar de imediatismo virtual”, analisa a reportagem.

Um dos estudiosos do assunto citados na matéria é o médico neurologista André Palmini, professor de Neurologia na PUC-RS. Segundo ele, “o problema da internet é que é baixo o tipo de preparação e modificação que o cérebro tem que fazer para lidar com milhares de conteúdos superficiais”. Este seria um processo contrário ao que é provocado pelos livros, que exigem muito mais sinapses para ser decodificados.

No entanto, argumenta Palmini, o principal desafio não é saber se a internet é maléfica ou benéfica para o cérebro, mas encontrar uma forma sadia de utilizá-la, pois não há como negar que os benefícios também existem. “Buscar conteúdo virtual de qualidade e manter-se naquele conteúdo, sem ceder às milhares de distrações que esse universo proporciona” seria um desses caminhos, sugere o pesquisador.

Ainda é cedo para respostas conclusivas sobre os reais efeitos desse fenômeno, conforme pondera a reportagem, mas o estudo das gerações mais recentes, especialmente os chamados nativos digitais, deve revelar novos aspectos da questão. [Fonte: revista Vida e Saúde]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Nem só de pão

Os benefícios do jejum, que vão além dos aspectos espirituais e físicos, precisam ser redescobertos e reivindicados pelos cristãos.