Tempo de mudanças

2 minutos de leitura
A igreja precisa falar a linguagem de hoje sem comprometer seus valores
Fotos: Ansel Oliver / Fotolia
Fotos: Ansel Oliver / Fotolia

É incrível observar como as coisas mudam de forma cada vez mais rápida e intensa. No dia 20 de setembro de 2013, a Apple lançou sua última geração de celulares, os iPhones 5C e 5S. Eles foram apresentados como a grande inovação do momento. A ansiedade dos consumidores foi tão grande que 9 milhões de aparelhos foram vendidos no primeiro final de semana.

Apenas 11 meses depois, no dia 9 de setembro de 2014, a Apple já apresentou seus novos lançamentos, os iPhones 6 e 6 Plus. Eles superaram completamente os equipamentos anteriores e venderam 10 milhões de aparelhos no primeiro final de semana. O número só não foi maior porque acabaram os estoques. O lançamento não envolveu apenas um novo produto, mas uma grande atualização. A nova versão chega a ser 50 vezes mais rápida que a original e até 84 vezes mais veloz no processamento gráfico. Tudo isso com uma bateria até 50% mais eficiente.

Tudo está em permanente mudança. A Apple, com seus desejados equipamentos eletrônicos, é apenas um exemplo, mas a mesma realidade pode ser vista em carros, roupas e computadores, entre outras coisas. As mudanças estão acontecendo, queiramos ou não. O que não muda morre!

Diante disso, qual deve ser a atitude da igreja? Para alguns, mudanças provocam reação negativa. Parece que a modernidade rompe com nossa história e nos afasta de nossos valores. Isso acontece quando ela é feita simplesmente por querer ser moderno, sem levar em conta os princípios que sustentam nossa fé.

Por outro lado, precisamos estar em sintonia com nosso tempo. A igreja precisa ser relevante e falar a linguagem de hoje. Nosso desafio continua sendo modernizar sem mundanizar. Estar ancorados na rocha, mas ajustados ao tempo. Buscar o que é mais relevante aos tempos de hoje sem comprometer nossos princípios, estilo de vida ou os valores que levam a igreja para mais perto de Deus. Encontrar este ponto de equilíbrio, sem passar dos limites, precisa ser fruto de muito diálogo, estudo, prudência e oração.

Temos buscado encontrar este caminho com muito cuidado e clara determinação. Não podemos nos contentar em continuar fazendo as mesmas coisas simplesmente porque deram certo no passado. Há novas possibilidades e oportunidades diante de nós. Precisamos continuar investindo no que tem dado certo e inovando naquilo que pode potencializar a qualidade espiritual da igreja e o cumprimento da missão. Estamos investindo fortemente em televisão, internet e redes sociais. Também em aplicativos para dispositivos móveis, uso de satélite para treinamento e evangelismo e na renovação de nossos templos. São iniciativas equilibradas, mas ao mesmo tempo inovadoras e atuais, que têm sido uma tremenda bênção para a igreja.

Agora, a renovação também chegou à Revista Adventista. Por mais de um século, ela tem sido uma bênção à unidade e profundidade da igreja, mas precisa continuar comunicando-se com a nova geração, sendo a voz da igreja e uma bênção aos leitores. Queremos modernizar o visual e a linha editorial, mas ao mesmo tempo continuar oferecendo alimento sólido. Queremos seguir investindo no papel, mas também entrar fortemente no mundo digital, com um aplicativo especial e a ampliação do site da revista, onde serão disponibilizados os exemplares que têm feito história e materiais complementares.

A Casa Publicadora Brasileira preparou um plano extremamente especial para que você faça sua assinatura e presenteie outros membros de sua família. Una-se a nós neste processo de renovação, buscando manter a Revista Adventista profunda, atual e relevante para nossos dias.

Erton Köhler é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Taffarel Toso.

Sobre Erton Köhler

Erton Köhler
Secretário executivo da sede mundial da Igreja Adventista.

Veja Também

Página virada

Uma reflexão sobre a transição na liderança da igreja na América do Sul.