Visão mais ampla

3 minutos de leitura
Entenda por que Guilherme Miller não se tornou adventista
Bussola-RA-setembro-de-2015-visão-mais-ampla-
Créditos da imagem: Diogo Cavalcanti

Gosto muito de história, especialmente dos homens e mulheres que escreveram os primeiros capítulos do movimento adventista. Há poucas semanas, depois da assembleia da Associação Geral, minha família e eu visitamos alguns lugares que protagonizaram nossa história. Estivemos na última casa em que Ellen White viveu e também na fazenda onde Guilherme Miller estudou as profecias de Daniel e foi chamado para resgatar a mensagem da segunda vinda de Cristo.

A visita à fazenda de Miller deixou marcas especiais. Estivemos na capela construída por ele depois do desapontamento e na “pedra da ascensão” (foto), onde, juntamente com um grupo de pessoas, ele aguardou a volta de Cristo em 22 de outubro de 1844. Trata-se de um lugar inspirador, com uma visão do horizonte que renova a esperança.

Quando visitamos o quarto e o escritório dele, bem como o túmulo em que ele está sepultado, algumas perguntas me vieram à mente. Por que Miller nunca fez parte do grupo que originou a Igreja Adventista do Sétimo Dia? Por que continuou marcando datas para a volta de Cristo? Por que viveu apenas poucos anos depois do desapontamento de 1844?

Ellen White oferece respostas profundas e uma visão mais ampla e esclarecedora sobre o assunto no livro Primeiros Escritos (p. 257, 258). Isso mostra que precisamos ter cuidado com conclusões rápidas, superficiais e precipitadas em qualquer situação. Sempre há uma história por trás da história e precisamos conhecê-la bem. Diz a mensageira:

“Minha atenção foi então chamada para Guilherme Miller. Ele parecia perplexo e estava quebrantado por ansiedade e angústia por seu povo. O grupo que havia estado unido em amor em 1844 estava perdendo seu amor, opondo-se uns aos outros e caindo num frio estado de apostasia. Ao contemplar iso, o sofrimento consumiu-lhe as forças. Vi líderes observando-o, temerosos de que ele aceitasse a mensagem do terceiro anjo e os mandamentos de Deus. E, quando ele se inclinava para a luz do Céu, esses homens elaboravam algum plano para desviar-lhe a mente. Uma influência humana foi exercida para conservá-lo em trevas e reter sua influência entre os que se opunham à verdade. Finalmente, Guilherme Miller levantou a voz contra a luz do Céu. Falhou ao não receber a mensagem que teria explicado plenamente seu desapontamento e lançado luz e glória sobre o passado, o que lhe teria restaurado as energias perdidas, iluminado sua esperança e o levado a glorificar a Deus. Ele se apoiou na sabedoria humana em lugar da sabedoria divina. Mas, enfraquecido por árduos esforços na causa do seu Mestre e pela idade, não foi tão responsabilizado como os que o afastaram da verdade. Esses são responsáveis. O pecado repousa sobre eles.

“Se tivesse sido possível a Guilherme Miller ver a luz da terceira mensagem, muita coisa que lhe parecia escura e misteriosa teria sido explicada. Mas seus irmãos professavam tão profundo amor e interesse que ele achou não dever romper com eles. Seu coração se inclinava para a verdade, e então ele olhava para seus irmãos, que se opunham a ela. Podia afastar-se dos que com ele tinham permanecido lado a lado na proclamação da vinda de Jesus? Ele pensava que certamente não poderiam levá-lo ao extravio.

“Deus permitiu-lhe cair sob o poder de Satanás, o domínio da morte, e escondeu-o na sepultura, afastando-o daqueles que o estavam constantemente desviando da verdade. Moisés errou quando estava prestes a entrar na terra prometida. Assim também, vi que Guilherme Miller errou quando já estava perto de entrar na Canaã celestial, ao permitir que sua influência fosse contra a verdade. Outros o levaram a isso; outros darão conta por isso. Mas os anjos vigiam o precioso pó desse servo de Deus, e ele ressurgirá ao som da última trombeta.”

O assunto é mais amplo do que pode parecer. Miller falhou, mas isso foi resultado da influência de outros, e eles serão responsabilizados. Induzir pessoas ao erro nos faz culpados em seu lugar, e esse princípio continua válido. Sua morte igualmente não foi apenas resultado da idade ou enfermidade, mas de uma ação divina para protegê-lo. Ainda hoje, a morte pode parecer algo acidental ou natural, e procuramos entender seus porquês. Mas Deus tem uma visão mais ampla que só a eternidade revelará. O descanso de seus filhos é uma demonstração de seu amor.

ERTON KÖHLER é presidente da Igreja Adventista para a América do Sul

LEIA TAMBÉM

Lembranças de San Antonio

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Erton Köhler

Erton Köhler
Foi presidente da Igreja Adventista para a América do Sul no período de 2007-2021.

Veja Também

Página virada

Uma reflexão sobre a transição na liderança da igreja na América do Sul.