A igreja e o poder

3 minutos de leitura

Livro reflete sobre o papel dos cristãos na política em meio à era das polarizações

Guilherme Silva

Foto: Marketing CPB

O reino de Deus não é deste mundo, mas até mesmo o Eterno não deixa de interagir com os reinos terrestres. Acima dos governos mundanos, é o Senhor, em última instância, que governa o destino das nações e controla o desfecho da história (Dn 2:21). De idêntica maneira, o cristão nunca estará fora da esfera política, ainda que se diga apolítico. O evangelho transforma o indivíduo e abençoa a sociedade.

Assim, partindo do pressuposto de que a vida tem uma dimensão política inescapável, o pastor e jornalista Marcos De Benedicto, com pós-doutorado em Novo Testamento, apresenta à igreja um importante exercício de reflexão e conscientização em sua obra Política: O que Você Precisa Saber (CPB, 2022, 160 p.). O livro faz parte da Série Essencial, que incluirá vários temas bíblicos e contemporâneos.

Estabelecendo um diálogo entre a teoria política e a teologia, trabalhando com dados atualizados e conceitos importantes, o autor inicia o livro com uma genealogia da democracia e amplia a análise com um panorama da política na Bíblia e na visão adventista. Ele também reflete sobre a teologia do poder, questiona a polarização atual e propõe uma aplicação prática desses princípios para a relação entre política e religião. A obra ainda demonstra como a visão bíblica de um milênio no Céu, após a volta de Cristo (Ap 20), afasta os adventistas da ilusão de uma nova era de paz neste mundo. O último capítulo apresenta a compreensão adventista da filosofia da história, afirmando que a “providência divina está guiando a história ao fim desejado e que Deus fará uma intervenção iminente no mundo” (p. 151).

De Benedicto se alinha à mais fiel tradição adventista ao reconhecer que o povo de Deus tem um papel a desempenhar em favor de uma sociedade mais justa, mas deve se manter fora de toda ­disputa partidária, em uma clara separação entre Igreja e Estado. Desse modo, a igreja não apoia oficialmente partidos políticos nem candidatos, incluindo membros da própria denominação. Por outro lado, a igreja está aberta a interagir com as autoridades ­constituídas de todos os partidos e estabelecer pontes de diálogo para a defesa de valores humanos como a liberdade religiosa e a promoção de projetos de saúde, educação e desenvolvimento social.

Essas conclusões se alinham com a clara orientação de Ellen White: “Não podemos, com segurança, tomar parte em nenhum plano político” (Fundamentos da Educação Cristã, p. 475). Isso porque haverá o perigo de assimilar de modo acrítico o projeto de poder de qualquer partido, que sempre terá pontos contraditórios com os valores do reino de Deus. A pioneira adventista, por sua vez, valoriza a vida do candidato tendo em vista seu desdobramento na esfera pública. “Homens intemperantes não devem ser colocados em posições de confiança pelo voto do povo. […] Da decisão de homens nessas posições de confiança dependem vida e liberdade, ou servidão e desespero” (Temperança, p. 47).

O autor demonstra que o respeito às autoridades sem um adesismo bajulatório livra o servo de Deus de idolatrar partidos, ideologias e personalidades políticas, especialmente em ambientes reais ou virtuais de mútuas agressões. Todos os projetos políticos precisam ser vistos da perspectiva da eternidade. Em breve essas disputas darão lugar a uma nova realidade, assegura De Benedicto: “A boa notícia é que o reino de Cristo logo substituirá todos os domínios terrenos. Nesse reino, terá lugar apenas a boa ‘política’, que promove a vida, amplia a liberdade e beneficia todos” (p. 159, 160).

TRECHO

“Expectativa pelo novo mundo e cuidado da velha Terra sempre fizeram parte do ima­ginário adventista e da prática da igreja. Graça e glória são pilares da nossa política. Graça no presente e glória no futuro. Só pensar no futuro seria escapismo, pensar só no presente seria estreiteza” (p. 94).

GUILHERME SILVA, pastor e jornalista, é editor de livros na CPB

(Resenha publicada na seção Estante da Revista Adventista de julho de 2022)

Sobre Guilherme Silva

Guilherme Silva
Editor na Casa Publicadora Brasileira

Veja Também

Apelo urgente

Livro missionário para 2022 reafirma compreensão adventista sobre os eventos finais.