Cátedra (re)visitada

2 minutos de leitura
Na educação adventista, a autonomia acadêmica é serva da Palavra de Deus
Adolfo Suárez no Congresso Ibero-Americano de Educação: "O ensino deve impactar o aluno na complexidade do ser e ao longo da vida". Foto: Jean Guilherme
Adolfo Suárez no Congresso Ibero-Americano de Educação: “O ensino deve impactar o aluno na complexidade do ser e ao longo da vida”. Foto: Jean Guilherme
Em tempos mais sisudos, cátedra era um lugar ou posição elevada. Assim, quem ensinava o fazia de um plano superior, assentado numa cadeira gótica, de encosto alto e imponente. Hoje, mais “chique” e arejada, a expressão passa a significar status, carreira, enfim, prestígio. O termo desperta interesse acadêmico quando cátedra se liga às palavras “poder” e “liberdade”, tornando-se dessa forma dissertação de mestrado e tese doutoral. Um exemplo é o conceito de “liberdade de cátedra”, ideia postulada por Wilhelm von Humboldt (1767-1835).

Por essa época, discutia-se uma reforma que libertasse a universidade da autoridade do Estado e da Igreja Católica. Nada de individualismo e divindade. Em 1810, Humboldt apresentou um relatório no qual a cátedra seria o símbolo da liberdade para o professor defender suas próprias ideias, pesquisar e gerir currículos. A primeira instituição organizada de acordo com os princípios do Relatório Humboldt foi a Universidade de Berlim, na Alemanha.

CRISTO COMO FUNDAMENTO

Durante três dias, de 27 a 29 de janeiro, o 2º Congresso Ibero-Americano de Educação refletiu sobre a função da cátedra sob a ótica adventista. O evento sediado no Unasp, campus Hortolândia, reuniu cerca 350 educadores e líderes de 13 países das Américas, África e Europa. A líder mundial da rede educacional adventista, Lisa Beardsley-Hardy, abriu o debate citando Ellen White: “No mais alto sentido, a obra da educação e da redenção são uma” (Educação, p. 30). A líder avançou: “Educação redentiva começa pelo perfil do professor.”

A cátedra adventista tem uma marca: o exemplo de Cristo. Ao definir identidade, Adolfo Suárez, doutor em Ciências da Religião, disse que a “práxis pedagógica deve impactar a pessoa na complexidade do ser e ao longo da vida”. Para o diretor mundial associado da rede educacional, Luiz Schulz, o tema envolve qualidade e excelência. Ele cita a Bíblia: “Ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo” (1Co 3:11), para ressaltar Cristo como modelo.

Na opinião de Ella Simmons, vice-presidente mundial da Igreja Adventista, “professor autônomo é aquele que leva seus alunos para o Céu”. Simmons destacou que a autonomia, quando “serva da Palavra de Deus e do Espírito Santo é capaz de mover-se em direção ao mundo para salvar pessoas”. Nesse mesmo tom, Raquel Kerniejczuk, vice-reitora acadêmica da Universidade de Montemorelos, no México, discursou: “A universidade adventista tem que romper os muros acadêmicos para impactar pessoas sofridas e necessitadas.”

Para o diretor do Centro de Pesquisas Ellen G. White do Unasp, Renato Stencel, a questão se impõe: “A filosofia adventista deve produzir resultados visíveis, tanto na ação docente quanto na pesquisa e extensão universitária. O mundo espera por isso.” E conclui: “Por ser uma agência missionária, tudo num campus universitário adventista deve refletir Cristo.”

JAEL ENEAS é diretor de desenvolvimento espiritual no Unasp, campus Hortolândia (SP)

SAIBA MAIS

A rede adventista tem:

113 instituições de ensino superior

11.906 professores

136.678 alunos

Fonte: SDA Education Word Statistics (31/12/2012)

LEIA TAMBÉM

Documento com diretrizes curriculares da educação adventista deve ser concluído neste ano

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Jael Eneas

Jael Eneas
Diretor de desenvolvimento espiritual no Unasp, campus Hortolândia (SP)

Veja Também

No tom certo

2 minutos de leituraEncontro de músicos ressalta a importância de ter um louvor congregacional mais …