O Livro dos livros

2 minutos de leitura

Bíblia é o preferido dos brasileiros, segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil

Livro sagrado ainda ocupa o topo das preferências do brasileiro, segundo revelou pesquisa realizada em âmbito nacional. Créditos da imagem: Fotolia
Livro sagrado foi o mais citado pelos participantes da pesquisa realizada em âmbito nacional. Créditos da imagem: Fotolia

Não há como não se surpreender com a recente pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Ibope, mostrando que o hábito de leitura no Brasil aumentou. Atualmente, 56% da população são leitores – um número significativo, considerando que em 2011 eram apenas 50%. Tão impressionante como esse número é o fato de a Bíblia ser a preferência de leitura.

A cultura “enlatada” brasileira, se podemos chamá-la assim, que se formou da mistura heterogênea de moda, estilos, culturas e hábitos de países influenciadores, criou uma sociedade de pessoas constantemente apressadas, com dificuldade de concentração e extremamente críticas. A tão conhecida geração selfie rapidamente se acostumou com pouca leitura e muita imagem. Há cerca de quinze anos, a propagação de textos encaminhados por e-mail, as chamadas “correntes” e mensagens reflexivas, foram emblemáticas da crise de leitura no país. Textos eram atribuídos erroneamente a autores renomados simplesmente porque as pessoas não liam as obras literárias e confiavam cegamente no conteúdo da internet.

Hoje, porém, vemos outra postura. Temos um público bastante exigente e analítico. Cada manifestação artística, seja literária, artística, cinematográfica, etc., é objeto de análise. As redes sociais são um eficiente termômetro para identificar a opinião geral e a repercussão de determinado fato. Nada mais passa despercebido. As pessoas andam sem tempo, mas seu senso crítico se tornou mais sensível e apurado. Os livros volumosos e densos já não assustam tanto. O individualismo que há certo tempo aflorou com a equação internet + smartphone tem se propagado nas mais diversas áreas da vida do ser humano comum. Cada pessoa, em frente à sua tela, torna-se um pensador, um crítico, um revolucionário, um fomentador ou líder.

Nesse contexto, as pessoas voltam aos livros, sejam eles físicos ou digitais. Hoje temos milhares de fontes de informação, que podem ser acessadas facilmente e em pouco tempo. Crianças, jovens e adultos reencontram o livro nos mais variados formatos e temas e em persuasivas propostas. Os clássicos da literatura são revisitados, mas em caráter de crítica, e novos gêneros e subgêneros literários têm surgido e se estabelecido no mainstream em pouco tempo. A Bíblia, conhecida em todas as culturas e países, também é um clássico revisitado. Diante do pluralismo religioso, diversas denominações ganham voz e notoriedade. Ao mesmo tempo, o respeito pelas crenças de cada pessoa é visto hoje com bastante seriedade.

Toda pessoa traz uma filosofia, defende uma crença e representa uma visão no mínimo transcendente. No meio religioso, a leitura sempre fez parte das cerimônias e do embasamento doutrinário das diferentes crenças. O cristianismo se baseia na Bíblia Sagrada. O fato de que as pessoas estejam lendo mais a Bíblia indica um aspecto do qual pouco falamos. Embora isso mostre a busca pelas igrejas cristãs, mais significativo ainda é o fato de que as pessoas expostas à Bíblia estão exercendo seus hábitos de leitura de forma bem mais avançada. Deixando de lado o fator espiritual da Bíblia como Palavra de Deus, temos nela uma riqueza literária que poucos livros apresentam. E não se trata simplesmente de um livro, mas de um compêndio, uma coleção de livros de gêneros e autores diferentes. A pessoa que tem contato com a Bíblia inevitavelmente aprende aspectos de cultura, saúde, família, direitos civis, entre outros, além de conhecer diversos estilos literários históricos, bem como fatos da História.

A pesquisa do Ibope revela que, apesar das críticas, a Bíblia continua sendo um livro que pode beneficiar o leitor que mantém a mente aberta para conhecer esse intrigante livro, independentemente da religião.

LUCAS DIEMER é graduado em Letras e atua como editor de livros na Casa Publicadora Brasileira

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

O engajamento dos adventistas na causa ambiental

2 minutos de leitura Conheça alguns projetos que têm melhorado a vida de comunidades afetadas …