Atenção

Bastidores da vida a dois

3 minutos de leitura

Terapeutas familiares dão dicas de como evitar crises conjugais como a que afetou nesta semana um dos casais mais conhecidos da televisão brasileira

Número de divórcios no Brasil aumentou 160% na última década, segundo o IBGE. Créditos da imagem: William de Moraes
Número de divórcios no Brasil aumentou 160% na última década, segundo o IBGE. Créditos da imagem: William de Moraes

A separação de um dos casais mais conhecidos da televisão brasileira foi um dos assuntos mais comentados da semana. William Bonner e Fátima Bernardes se tornaram manchete depois de anunciar pela internet o fim de uma relação matrimonial que durou 26 anos e lhes rendeu três filhos.

Uma notícia como essa tende a causar forte impacto na vida de outros casais, conforme avalia a terapeuta familiar Dilene Ebinger. “Quando casais que, no imaginário popular, tinham ‘tudo’ para obter sucesso na vida a dois decidem se separar, o sentimento é de descrença no matrimônio”, afirma.

LEIA TAMBÉM: Crônica de Darleide Alves, apresentadora do Consultório de Família, da TV Novo Tempo, sobre o divórcio do casal global 

Numa sociedade atraída pelo que ocorre no mundo dos famosos, casos como o que envolveu o casal global costumam comover bem mais do que as estatísticas, apesar de elas mostrarem uma realidade muito mais “bombástica”. Segundo o IBGE, somente em 2014 foram homologados mais de 341 mil divórcios. Na última década, o número de casos cresceu 160%.

O último censo também revelou outros dados preocupantes. Entre eles, o de que a maioria das uniões formais (56%) acaba antes de completar 15 anos. Mais de 40% dos casamentos não chegam a uma década e 1,8% dos casais se separam antes mesmo do primeiro ano de existência.

Para Marco Lamarques, doutor em Teologia Pastoral com ênfase em aconselhamento familiar, o fenômeno não tem que ver somente com o fato de que a burocracia para realizar o divórcio tenha diminuído, mas também com os fatores de ordem cultural. “No contexto pós-moderno, há uma tendência muito grande ao individualismo. Viver de forma autônoma é uma grande ameaça para o casamento”, ressalta o pastor que há 30 anos aconselha casais.

Casos raros

Histórias como a de Jorge e Eunice Walting são cada vez mais raras. Eles cumpriram ao pé da letra a decisão de permanecer juntos “na saúde e na doença”, “até que a morte os separe”. Há cerca de quatros anos, Eunice começou a apresentar mudanças de comportamento. Depois de várias consultas, foi constatado que ela estava com mal de Alzheimer.

A princípio, o casal permaneceu no apartamento com a presença de enfermeiros e cuidadores. Contudo, a progressão da doença e a dificuldade de encontrar profissionais de saúde com disponibilidade de tempo integral tornaram inviável essa opção.

Casados há 75 anos, Jorge e Eunice Walting foram retratados na seção Perfil da edição de julho deste ano da Revista Adventista.
Casados há 75 anos, Jorge e Eunice Walting foram retratados na seção Perfil da edição de julho da Revista Adventista.

Certos de que a matriarca precisava de tratamentos especiais e constantes, a família procurou um local com infraestrutura mais adequada para tratar a doença. Encontraram uma casa de repouso em Hortolândia, no interior do Estado de São Paulo. Depois de 75 anos juntos, Jorge decidiu que não poderia deixar a esposa sozinha e decidiu se mudar com ela para lá. Pelo exemplo, ele ensina qual é o segredo para sustentar um relacionamento durante tanto tempo: “Sempre nos cuidamos. Nos respeitamos e fomos pacientes um com o outro. Diariamente. Essa é a dita ‘fórmula’ do amor duradouro”, ressalta.

A história de amor foi publicada na edição do mês de julho da Revista Adventista, que mensalmente traz também uma seção na qual destaca as comemorações de bodas.

Dicas dos especialistas

O conselho dos especialistas para os que desejam ter relacionamentos duradouros reforça a importância das atitudes praticadas por Jorge e Eunice durante mais de sete décadas: passar tempo juntos, construir projetos em comum, além de valorizar o diálogo. São “pequenas” atitudes que podem ajudar a manter unidos os casais.

Outro aspecto que merece atenção, segundo Dilene, é a necessidade de evitar as interferências nas decisões do casal. “Quando terceiros, quer seja pai, mãe, sogro, sogra ou algum amigo, começam a interferir nas resoluções do casal, isso gera problemas”, observa. Por isso, ela lembra que a Bíblia recomenda que os cônjuges “deixem pai e mãe” (Ef 5:31) ao se unir a outra pessoa.

Marco Lamarques acrescenta que a manutenção diária do relacionamento também é um aspecto fundamental. Para ele, sonhar com um casamento perfeito não é problema, desde que se procure viver a realidade. “Não existe superesposo nem superesposa. O casamento deve ser aquele que eu tenho, não o que está nos roteiros”, complementa.

Para casais que tiveram o relacionamento desgastado e estão à beira do divórcio, Dilene afirma que buscar ajuda especializada pode ser um caminho para tentar reverter o quadro. No entanto, ela reforça que Deus é o fator mais importante nesse processo. “Durante 17 anos atuando no consultório, eu nunca vi um quadro difícil na relação matrimonial ser revertido sem a ajuda de Deus”, enfatiza.

Para a terapeuta familiar, Ele é imprescindível do início ao fim de uma relação que pretende honrar os votos feitos no altar. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Daniela Fernandes]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Inteligência artificial

Como os “robôs” têm ajudado no atendimento à crescente demanda por estudos bíblicos durante a pandemia.