Cem anos de uma missão

5 minutos de leitura

Batismos, homenagens e lançamento de um livro sobre a história da igreja marcaram as comemorações do centenário da Divisão Sul-Americana

centenário-da-DSA

O passado, o presente e o futuro da igreja na América do Sul se interligaram durante o Concílio Quinquenal da Divisão Sul-Americana, realizado entre os dias 3 e 7 de novembro, em Brasília (DF). Para os mais de 200 administradores que participaram do encontro, esse foi um momento para refletir sobre o atual panorama da denominação no continente e planejar os rumos da igreja para os próximos cinco anos. Além disso, eles também relembraram como Deus conduziu a denominação desde que ela estabeleceu suas raízes nessa parte do mundo. “Precisamos liderar olhando para a frente, mas sem tirar os olhos do retrovisor”, disse na ocasião o presidente sul-americano da igreja, pastor Erton Köhler.

Prestes a completar cem anos de existência, a Divisão Sul-Americana aproveitou a ocasião para comemorar esse marco histórico. Os dois últimos dias do evento foram dedicados a uma programação especial que trouxe, a partir da ótica de cada departamento, dados sobre o crescimento do adventismo na América do Sul ao longo desse período.

Cada apresentação destacou não somente os feitos de um passado distante, mas as conquistas atuais. “Quando olhamos para o que a igreja era e o que ela representa hoje, vemos que nesses 100 anos não aconteceram só bênçãos, aconteceram milagres. O fato de, nesses 100 anos, ela ter crescido 10 vezes mais do que a população, não é normal. O normal seria que nós tivéssemos acompanhado o crescimento da nossa própria geografia. Por isso, eu vejo que Deus olhou com carinho para a América do Sul, abençoou esse continente e fez muitos milagres. E o mais bonito é que os milagres do passado continuam se repetindo no presente”, reforçou Erton Köhler.

Entre as inspiradoras histórias de conversão registradas nos últimos anos, a do jovem Renato de Oliveira ganhou destaque no evento na sexta-feira à noite. Há aproximadamente quatro anos, o ex-integrante de uma banda de rock teve contato com o evangelho por meio do livro O Grande Conflito, de autoria da escritora norte-americana Ellen G. White, e foi batizado.

Entre as surpresas reveladas durante a programação também se destacaram 12 batismos realizados em um tanque colocado dentro de uma réplica do primeiro templo adventista sul-americano, estabelecido em 1887 na região de Crespo, Entre Ríos (Argentina). Para a adolescente Giuliana Hetze, de 14 anos, ser batizada nesse local teve um significado especial: ela é descendente de Reinhardt Hetze, o primeiro adventista sul-americano batizado de que se tem registro.

Pastor Edison Choque batiza descendente de Reinhardt Hetze, o primeiro adventista sul-americano. Foto: Márcio Tonetti
Pastor Edison Choque batiza descendente de Reinhardt Hetze, o primeiro adventista sul-americano. Foto: Márcio Tonetti

Giuliana estava acompanhada de seu pai, Ariel, que é tataraneto do pioneiro. Homenageado durante o evento, o contador público que vive na região que foi uma das portas de entrada do adventismo na Argentina, contou como seu tataravô abraçou a fé adventista e se tornou um missionário voluntário. “Em 1890, meu tataravô hospedou o missionário Jorge Riffel, que tinha aceitado a mensagem nos Estados Unidos e veio pregar na Argentina. Foi por meio desse homem que Reinhardt se tornou adventista, embora já tivesse tido contato com a mensagem na Europa. Creio que ele deve ter enfrentado uma situação muito difícil para viver a fé adventista naquela época e pregar numa região agreste. Se ele fez tanto naquele período, iniciando a obra em vários lugares, nós podemos fazer muito mais hoje”, ressalta Ariel.

De geração em geração

A história que passou de geração em geração, chegando até Giuliana, a sexta geração de adventistas na família Hetze, agora também está registrada em um livro lançado no último sábado, 7 de novembro, como parte das comemorações do centenário.

A obra, composta por nove capítulos e 236 páginas, foi escrita pelo pastor Roberto Gullón Canedo. Aos 83 anos, ele diz que “ver esse livro publicado é uma felicidade e uma recompensa, pois, ao longo da minha vida, sempre me interessei pela história da igreja”.

Programa do centenário da DSA-15
Roberto Gullón (à esquerda) e Rubens Lessa (à direita): autor e editor do livro “Uma semente de esperança” trocam cumprimentos durante o lançamento da obra. Foto: Márcio Tonetti

Gullón afirma que, ao escrever a obra Uma semente de esperança, impressa pela Casa Publicadora Brasileira e editorada por Rubens Lessa, que trabalhou como redator-chefe da editora por vários anos, ele teve a confirmação de que Deus abençoou ricamente sua igreja, aumentando o número de membros. E, como resultado desse crescimento de fiéis, foi necessário que a organização ampliasse sua estrutura.

“À semelhança do que acontece com uma criança, uma estrutura nasce, cresce e se desenvolve, e um fato significativo ocorreu em 1895, quando a Missão Costa Leste da América do Sul se dividiu para a criação da Missão Brasileira. Em 1901, foi estabelecida a União-Missão Sul-Americana. Depois de outras fases em que se dividiram e subdividiram, ocorreu o maior acontecimento, ou seja, a organização, em 1916, da Divisão Sul-Americana, com 4.903 membros” (p. 27).

Roberto Gullón divide o livro em três fases. A primeira delas, que abrange o período de 1885 a 1894, fala sobre “os primórdios da obra adventista na América do Sul e os meios utilizados pelo Senhor para que, no devido tempo, a luz da mensagem do terceiro anjo começasse a brilhar nestas terras”. Na sequência, o autor descreve o que aconteceu entre 1894 a 1916, época que envolve a organização das primeiras igrejas no continente. Também é apresentada a maneira pela qual a estrutura organizacional, até então conhecida como Missão Sul-Americana, desenvolveu-se rapidamente “com ousadia e coragem incríveis”. A terceira fase (1916-2015) retrata a organização da Divisão Sul-Americana e o desenvolvimento de sua estrutura organizacional. Nessa parte, Gullón também narra a transferência da DSA de Buenos Aires para Montevidéu, no Uruguai, e, posteriormente, para Brasília (DF), além de apresentar o perfil de cada um dos presidentes da Divisão.

Pastor Erton Köhler homenageia o ex-presidente da Divisão Sul-Americana, pastor João Wolff. Foto: Marcos De Benedicto
Pastor Erton Köhler homenageia o ex-presidente da Divisão Sul-Americana, pastor João Wolff. Foto: Marcos De Benedicto
João Wolff, que presidiu a Divisão Sul-Americana de abril de 1980 a julho de 1995, é o único ex-presidente ainda vivo. Ele foi um dos personagens homenageados durante o lançamento do livro do centenário. Emocionado, Wolff afirmou que “muitos novos templos foram fundados nesse período como resultado do trabalho de centenas de pessoas, incluindo aqueles que dirigiram esse departamento” e que fica “cada dia mais feliz ao ver como Deus tem conduzido sua igreja rumo ao cumprimento dessa missão”.

Protagonismo sul-americano

Como afirma Gullón (p. 225), se no passado a América do Sul já foi conhecida no mundo adventista como o “continente negligenciado”, passando a ser visto, na década de 1950, como o “continente das oportunidades”, no século 21 pode-se dizer que ele é o “continente do futuro”.

Pastor Ted Wilson: “O evangelismo é o sangue desta igreja”. Foto: Márcio Tonetti
De fato, os olhos do mundo adventista na atualidade estão voltados para a América do Sul, cujo território concentra mais de 2,2 milhões de adventistas. Conforme expressou o presidente mundial da Igreja Adventista, pastor Ted Wilson, que acompanhou toda a programação, “é fascinante ver como a Divisão Sul-Americana, com sua grande energia e foco na missão, está agora além de suas fronteiras, enviando missionários para outras partes do mundo e participando das atividades mundiais da igreja como nunca antes”.

Assim, a igreja na América do Sul vem desempenhando um papel protagonista na história do adventismo no século 21. Mas, embora esse seja um importante motivo para comemorar, a liderança da organização no continente fez questão de ressaltar que o objetivo da igreja não é continuar mais um século neste mundo. Afinal, como observou o pastor Edward Heidinger, secretário executivo da Divisão Sul-Americana, “se todos se envolvessem na missão, nós passaríamos de um centenário na Terra para um milênio no céu”. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Jefferson Paradello]

VEJA MAIS FOTOS DA PROGRAMAÇÃO

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Batismo em massa no arquipélago

Série de pregações on-line resultou em milhares de decisões nas ilhas caribenhas.