Educação de alto nível

3 minutos de leitura
Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP), abre processo seletivo para Mestrado Profissional em Educação, o primeiro da área vinculado a uma instituição da igreja no país que é reconhecido pela Capes
Márcio Tonetti

Mestrado-no-Unasp

Começa nesta quinta-feira, 10 de março, o período de inscrições para o processo seletivo do Mestrado Profissional em Educação que será oferecido pelo Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP). Para a primeira turma, que inicia em agosto de 2016, serão ofertadas 20 vagas.

A pós-graduação representa um marco no contexto adventista brasileiro por ser o primeiro programa stricto sensu na área de educação vinculado a uma instituição da igreja no país que é reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Vale lembrar que, desde 2013, o Unasp, campus São Paulo, também oferece o Mestrado Profissional em Promoção da Saúde.

Em entrevista à Revista Adventista, Gildene Lopes da Silva, coordenadora do Mestrado Profissional em Educação, fala sobre as contribuições da iniciativa para a rede educacional adventista e explica como esse programa acadêmico deve significar um avanço no objetivo do Unasp de conquistar o status de universidade.

Qual é a diferença entre as modalidades de pós-graduação lato sensu e stricto sensu?

De acordo com a definição do Ministério da Educação e Cultura, a pós-graduação lato sensu envolve cursos com uma carga horária mais reduzida. Nessa categoria entram os cursos de especialização e os chamados MBA. Seu propósito é prover aprimoramento, aprofundamento e atualização de conhecimentos para candidatos que concluíram a graduação. Já a pós-graduação stricto sensu compreende programas de mestrado e doutorado. Nessa modalidade, também é necessário que o candidato seja diplomado em curso superior e atenda às exigências das instituições de ensino, conforme legislação específica, e ao edital de seleção dos alunos. Com um tempo de duração maior, os programas de mestrado e doutorado exigem ampla pesquisa para obtenção de uma formação acadêmica sólida que dê direito ao título de mestre ou doutor.

Quais exigências o Unasp precisou cumprir para ter o Mestrado Profissional em Educação aprovado e quanto tempo levou todo o processo?

As exigências da Capes são muitas. Mas, de maneira resumida, podemos dividi-las em gerais e específicas. Os requisitos gerais são exigências básicas no âmbito do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES) e se aplicam a todas as propostas de novos cursos submetidas à avaliação, independentemente da área. Já o segundo, envolve critérios e parâmetros específicos. Desse modo, a proposta do Mestrado Profissional em Educação precisou, primeiramente, apresentar adequação ao plano de desenvolvimento institucional do Unasp, além de clareza e consistência. Num segundo momento, houve necessidade de comprovação de aspectos como a qualificação do corpo docente e sua produção intelectual relevante. A adequação das áreas de concentração aos projetos de pesquisa e da estrutura curricular às respectivas ementas de disciplinas; a explicitação dos critérios de seleção de alunos e justificativas para o perfil da formação profissional pretendida; e o estágio de desenvolvimento da área no país. Somado a isso, também foram levados em conta quesitos como infraestrutura e pesquisa, além de aspectos administrativos.

O período entre o encaminhamento da proposta à Capes e o parecer final foi relativamente curto, visto que a submissão da mesma ocorreu em julho de 2015, e o parecer final da comissão de avaliação saiu no dia 28 de outubro do ano passado, com a aprovação e recomendação da proposta.

Quais serão algumas das contribuições desse novo programa acadêmico para a rede educacional adventista?

Creio que o Mestrado em Educação Profissional irá conferir um alto nível de qualificação profissional, com diploma reconhecido em todo o território nacional. Nosso objetivo é formar profissionais, gestores e docentes pesquisadores, com domínio dos processos de investigação científica. Portanto, o propósito central é a produção de conhecimento e a elaboração de novos métodos, experiências curriculares, práticas educativas e materiais de ensino visando ao desenvolvimento integral do ser humano. Além de sua contribuição para o Sistema Educacional Adventista, destaco a importância desse programa para os profissionais da educação que vivem na região do Unasp, campus Engenheiro Coelho, e mesmo para pessoas de outras partes do Brasil e do mundo.

As pesquisas desenvolvidas no programa darão ênfase em quais aspectos da educação?

Trabalharemos com duas linhas de pesquisa. A primeira será voltada para a formação de professores, currículo e práticas inovadoras. Já a segunda terá como foco a formação de gestores, processos educativos e avaliação (para saber mais sobre cada linha de pesquisa, clique aqui).

A pesquisa é um dos pilares de uma universidade. A abertura de um programa de mestrado como esse pode significar um avanço no objetivo do Unasp de conquistar o status de universidade?

Com certeza. A ampliação da oferta nesse nível de ensino, conforme propõe o Plano de Desenvolvimento Institucional do Unasp (PDI 2014 – 2018), consiste num passo imprescindível para alcançarmos essa meta. Felizmente, a abertura de uma pós-graduação stricto sensu já evidencia o amadurecimento da instituição na investigação científica, na produção intelectual e na capacidade de atuação em diferentes áreas do conhecimento, confirmando os resultados do investimento na criação de espaços mais consolidados de pesquisa.

O que ainda falta para que a instituição seja reconhecida como universidade?

São inúmeros os critérios para se requerer o credenciamento como universidade. No que se refere ao stricto sensu, por exemplo, é exigida a oferta regular de, pelo menos, quatro cursos de mestrado e dois de doutorado reconhecidos pelo MEC, conforme resolução nº 3, de 14 de outubro de 2010.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Os efeitos colaterais da cultura da pressa

A velocidade das novas tecnologias acelerou significativamente nosso ritmo de vida, mas precisamos repensar essa lógica.