Atenção

Estilo de vida adventista é destaque no programa Globo Repórter

2 minutos de leitura

Programa mostrou resultados de estudo da USP que avaliou a saúde de 1,4 mil fiéis no Brasil e a história do coordenador da pesquisa, que perdeu quase 50 quilos em um ano depois de mudar hábitos de vida

Reportagem deu ênfase nos hábitos que levaram o coordenador do Estudo ADVENTO a perder quase 50 quilos em um ano.
Reportagem deu ênfase nos hábitos que levaram o coordenador do Estudo ADVENTO a perder quase 50 quilos em um ano.

Há alguns anos, a saúde dos adventistas de Loma Linda, na Califórnia (EUA), foi tema de reportagens em importantes veículos de comunicação, como a revista National Geographic, depois de uma pesquisa ter mostrado que os fiéis da igreja viviam até dez anos mais que a média dos americanos. Agora é o Brasil que vem chamando a atenção da mídia diante de um estudo realizado com adventistas em São Paulo.

A versão brasileira da pesquisa envolveu 1,4 mil membros da denominação, com idades entre 35 e 74 anos. Eles foram divididos em três grupos: vegetarianos, vegetarianos que comem ovo e tomam leite e pessoas que comem carne. O grupo dos vegetarianos foi o que apresentou os melhores resultados: redução de 10% da medida da cintura e colesterol total 10% menor. Além disso, os índices que indicam uma maior predisposição ao diabetes e alterações prejudiciais nos vasos sanguíneos foram 20% menores.

O médico Everton Padilha Gomes foi o coordenador do Estudo ADVENTO (Análise de Dieta e Hábitos de Vida na Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Adventistas do Sétimo Dia), financiado pela USP, Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e Incor (Instituto do Coração).

A conclusão da pesquisa realizada pelo médico adventista foi um dos tópicos abordados na última sexta-feira, 30 de setembro, pelo programa Globo Repórter, cuja edição tratou sobre diabetes e hipertensão. Algo que também chamou a atenção da maior emissora de TV do país foi a história do próprio médico.

Depois de mudar radicalmente o estilo de vida, o cardiologista perdeu quase 50 quilos em um ano. Segundo informou à emissora, apesar de ser adventista, ele não seguia a dieta recomendada pela igreja. Era um devorador de carnes e de muitos outros pratos. “Eu cheguei a 128 quilos. Era um obeso mórbido”, disse ao programa da rede Globo.

Como destacou o programa, a mudança “não foi nenhum milagre”. “Foi uma ideia que ele foi buscar na igreja que frequenta: a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que incentiva a adoção da alimentação vegetariana e a prática de exercícios físicos”, a jornalista Isabela Assumpção afirmou.

“Eu tive de me reeducar, reaprender a comer, reaprender a dormir e reaprender também a gostar de fazer exercício”, disse o médico adventista.

ASSISTA AO VÍDEO

Para saber +

As principais conclusões do Estudo Advento serão tema da reportagem de capa da Revista Adventista de novembro. A edição também irá mostrar os resultados de pesquisas paralelas que analisaram a pele e a microbiota dos adventistas. [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações do portal G1]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Inteligência artificial

Como os “robôs” têm ajudado no atendimento à crescente demanda por estudos bíblicos durante a pandemia.