Liberdade religiosa

2 minutos de leitura

Igrejas adventistas não foram alvo de ataques no Níger

Os dois templos existentes no país não foram atacados por manifestantes islâmicos

No Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, 21 de janeiro, o Brasil foi palco de manifestações de representantes de diversos credos em defesa da paz e do respeito. A data foi estabelecida oficialmente no calendário brasileiro em 2007 e, desde então, é lembrada em todo o território nacional. Neste ano, as ações ganharam mais expressividade diante do que vem ocorrendo em países como o Níger, onde extremistas islâmicos destruíram dezenas de igrejas e outros estabelecimentos, numa onda de ataques que já deixou dez mortos desde o dia 16 de janeiro. Segundo noticiou a agência France Presse nesta semana, houve registro de ataques a 45 igrejas, cinco hotéis, 36 bares, um orfanato e uma escola cristã. As manifestações ocorreram em represália à publicação de charges de Maomé pelo jornal francês Charlie Hebdo. O Ministério das Relações Exteriores confirmou na última segunda-feira, 19 de janeiro, que dois templos evangélicos, duas igrejas presbiterianas e uma escola onde trabalham brasileiros foram destruídos em Niamey, capital do Níger. Em meio ao cenário de violência que atingiu igrejas cristãs e não cristãs na semana passada, os dois templos da Igreja Adventista existentes no país não foram alvo dos atentados.

Níger é um país de maioria muçulmana (98% da população). Embora o islamismo seja a religião oficial, constitucionalmente trata-se de um estado laico, que respeita a liberdade religiosa. Estima-se que entre 50 e 150 mil cristãos vivam no país atualmente. No entanto, a perseguição por parte de radicais islâmicos tem feito da região do Níger um território hostil para o cristianismo desde o século 7. Uma das regiões onde a liberdade religiosa é mais afetada é na fronteira com a Nigéria (um dos dez países mais opressores do cristianismo em 2014, de acordo com a “Classificação da Perseguição Religiosa“, pesquisa divulgada anualmente pela organização Portas Abertas). A despeito disso, os cristãos que vivem na República do Níger “têm uma visão crescente de plantação de igrejas e evangelismo”, segundo a entidade, que atua em 50 países em defesa de cristãos perseguidos. Os missionários protestantes foram os primeiros a chegar no Níger.

Igreja Adventista de Niamey, capital do Níger, inaugurada em 2004. Foto: Dioi Cruz / acervo pessoal
Igreja Adventista de Niamey, capital do Níger, inaugurada em 2004. Foto: Dioi Cruz / acervo pessoal

A Igreja Adventista vem atuando de maneira mais significativa nesse país desde a década de 1980, quando o governo autorizou a implantação da Agência de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) e o estabelecimento de um escritório administrativo da organização, conforme explica o pastor Dioi Cruz, que atuou como missionário no Níger durante seis anos (2000-2006). O brasileiro, que hoje é missionário em Johannesburgo, na África do Sul, conta que presenciou poucos casos de manifestações de intolerância contra a igreja ao longo desse período. Um deles foi registrado em 2003, quando o templo de Niamey, pouco tempos antes de sua inauguração oficial, foi ameaçado por pessoas que prometiam incendiar as instalações da igreja adventista. Apesar desses  episódios, o missionário relata que “Deus abençoou a missão de várias formas. Foram batizadas 162 pessoas, e duas igrejas e uma escola foram construídas no período”.

Pastor Dioi Cruz realiza batismo no rio Níger. Foto: acervo pessoal/Dioi Cruz
Pastor Dioi Cruz realiza batismo no rio Níger. Foto: acervo pessoal/Dioi Cruz

O número de adventistas no Níger ainda é de aproximadamente 240 fiéis, numa população de aproximadamente 16,9 milhões de habitantes. Mesmo sendo minoria, a igreja tem sido reconhecida por sua relevância para a sociedade, pois mantém três escolas primárias, além de desenvolver projetos de capacitação profissional, na área de segurança alimentar e saúde pública, entre outras iniciativas voltadas para o desenvolvimento social.

“Oremos pelos cristãos que sofrem com a intolerância religiosa no mundo e para que, por meio desses conflitos sociais, políticos e religiosos, muitos sejam convencidos a buscar a Jesus Cristo, o rei da paz e nosso salvador”, exorta o pastor Dioi Cruz. [Márcio Tonetti, equipe RA]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Síntese do Concílio Anual

Extratos da reunião de líderes mundiais da igreja realizada nos dias 7 a 13 de outubro.