Memorial da pandemia

3 minutos de leitura

Como homenagear as vítimas da Covid-19 no Brasil

Márcio Tonetti

A partir do século 16, o hábito de registrar na superfície fria das lápides a memória de quem morreu adquiriu novos contornos ao ganhar espaço também no papel. Assim, no século 19, a imprensa, especialmente anglo-saxã, se tornaria o principal veículo de divulgação de falecimentos.

No Brasil, a Revista Adventista mantém essa tradição há mais de um século. Desde janeiro de 1908, quando fez o primeiro comunicado desse tipo, até hoje, mais de 15 mil nomes já foram homenageados na seção, atualmente intitulada Memória. A novidade é que agora esse serviço está sendo ampliado com o lançamento de um espaço virtual dedicado exclusivamente às vítimas da pandemia no cenário adventista brasileiro.

Nova demanda

No contexto da atual pandemia, a página de falecimentos da Revista Adventista não foi suficiente para atender à demanda. Por isso, o espaço teve que ser ampliado, chegando a ter até três páginas em algumas edições. Esse foi um dos motivos que levaram à criação de uma plataforma virtual dedicada exclusivamente à memória de pessoas que morreram de Covid-19. Mais do que falar da morte em si, o espaço é dedicado à trajetória de homens e mulheres que deixaram seu exemplo de vida e fé.

Tendência na crise sanitária

No turbilhão de notícias tristes que tomou conta do Brasil e do mundo, sobressaíram os números e as estatísticas de uma crise sanitária que, somente no Brasil, já deixou um saldo de mais de 600 mil mortos. Em meio a esse cenário, surgiram sites como o inumeraveis.com.br e o memorialvagalumes.com.br, buscando apresentar uma perspectiva mais humanizada das perdas e trazendo à lembrança aquilo que por vezes os números não conseguiram traduzir. 

Recursos da plataforma

Por meio da plataforma, os familiares e/ou conhecidos das vítimas podem submeter informações e fotos do(a) falecido(a). A plataforma também oferece um sistema de busca por nome. O espaço já reúne dezenas de notas de falecimento publicadas na versão impressa (todas reproduzidas no ambiente virtual com a autorização da família). Mas imagine quantas não chegaram ao nosso conhecimento! Por isso, o site memoria.revistaadventista.com.br vai inclusive homenagear as pessoas que morreram no início da pandemia e que não tiveram a nota de falecimento publicada na versão impressa.  

Como utilizar

Para comunicar um falecimento, basta preencher um formulário on-line com informações sobre o falecido (por exemplo: nome completo, data de nascimento e de óbito, igreja que frequentava, breve biografia e familiares que deixou) e depois fazer o upload de fotos. Para concluir o processo, é preciso aceitar o termo de consentimento, autorizando a revista a publicar as informações e imagens. Todos esses dados não são publicados imediatamente, mas ficam armazenados até serem checados, editorados e adaptados ao formato da página. 

Principais objetivos

Além de cumprir o papel de divulgação, homenagem e elaboração do luto, o memoria.revistaadventista.com.br pretende dar uma dimensão aproximada do impacto que a pandemia teve entre os adventistas no Brasil e manter um registro, tanto impresso quanto virtual, da memória de pessoas que morreram em razão da atual crise sanitária. A plataforma também irá facilitar o acesso às informações que poderão gerar estudos relevantes para a igreja no futuro e potencializar o alcance da seção de falecimentos da Revista Adventista. [Ilustrações: Adobe Stock]

Fonte: Willian Vieira, “O obituário contemporâneo nos jornais e nas coletâneas: uma discussão sobre gênero textual e sociedade” (dissertação de mestrado na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, 2014)

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista

(Guia publicado na edição de novembro de 2021 da Revista Adventista)

Última atualização em 1 de novembro de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

O engajamento dos adventistas na causa ambiental

2 minutos de leitura Conheça alguns projetos que têm melhorado a vida de comunidades afetadas …