Novo relatório revela pontos fortes e desafios da igreja na América do Sul

1 minuto de leitura
Continente concentra 17% das igrejas e 12% do número total de adventistas. Porém, a significativa perda de fiéis requer maior atenção da liderança
Relatório da Secretaria - Concílio Anual da DSA
Pastor Edward Heidinger apresenta relatório durante o Concílio Anual da Divisão Sul-Americana, em Brasília. Foto: divulgação DSA

A Divisão Sul-Americana concentra 17,5% das congregações e 12,8% do número total de adventistas existentes em todo o mundo. Os dados foram apresentados no último domingo, 6 de novembro, pelo pastor Edward Heidinger, secretário-executivo da sede administrativa adventista para oito países do continente, durante o Concílio Anual, em Brasília (DF).

De acordo com o relatório, que levou em conta dados de 2015, existem 26.609 igrejas na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai. Em relação ao número de membros, os mais 2,4 milhões de fiéis colocam a sede administrativa sul-americana na quarta posição, atrás das Divisões Interamericana (com sede nos Estados Unidos), Sul-Africana Oceano Índico (com sede na África do Sul) e Centro-Oeste Africana (com sede no Quênia).

Conforme informou Heidinger, considerando as 14 sedes administrativas ao redor do mundo, no ano passado a Divisão Sul-Americana registrou o terceiro maior crescimento bruto em número de novos membros (253.869). O mais expressivo foi obtido pela Divisão Sul-Africana Oceano Índico (com 268.151 batismos), seguida da Centro-Oeste Africana (256.697).

Porém, em termos de crescimento líquido o território sul-americano ficou na quinta posição. Levando em conta a diferença entre o montante de novos conversos e a soma dos que deixaram a igreja, o aumento real foi de 4,22%.

LEIA TAMBÉM: Perda de fiéis é preocupante

Conforme aconselhou o secretário-executivo, é preciso redobrar a atenção aos novos na fé. Segundo as estatísticas oficiais, mais de 627 mil membros da denominação no continente possuem entre um e quatro anos de batismo (25,37% do total). O segundo grupo mais numeroso é o de pessoas que possuem entre cinco e nove anos de igreja (472 mil ou 19,1% do total).

Com base nesses números, o pastor Heidinger chamou a atenção para o fato de que, em 2015, aproximadamente 33% das pessoas que abandonaram a igreja tinham entre 5 e 9 anos de batismo. Segundo ele, isso requer medidas que ajudem a nutrir esses fiéis e a conter o fluxo da apostasia. [Equipe RA, da redação / Com informações de Felipe Lemos, da ASN]

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Batismo em massa no arquipélago

Série de pregações on-line resultou em milhares de decisões nas ilhas caribenhas.