Resultado de 20 anos de pesquisa

2 minutos de leitura

Estudo de paleontólogos adventistas sobre a forma como os dinossauros morreram é publicado em prestigiada revista científica

BRISA RAMIREZ

Doutor Jared Wood, diretor do Dinosaur Science Museum, na Southwestern Adventist University, mostra peças do acervo a estudante. Foto: Southwestern Adventist University

Há duas décadas, Jared Wood, diretor do Dinosaur Science Museum, da Southwestern Adventist University (SWAU), Arthur Chadwick, diretor do Dinosaur Excavation Project, na mesma universidade, e Keith Snyder, chefe do Departamento de Biologia da Southern Adventist University, lideram escavações paleontológicas na região do Hanson Ranch, no estado norte-americano do Wyoming.

O grande volume de informações coletadas nos últimos 20 anos por esses pesquisadores resultou na publicação do artigo intitulado “Over 13.000 elements from a single bonebed help elucidate disarticulation and transport of an Edmontosaurus thanatocoenosis” no PLoS One, periódico científico revisado por pares ligado à Biblioteca Pública de Ciência (PLoS).

O objetivo dos autores foi realizar um exame tafonômico do depósito, a fim de demonstrar o que esses animais estavam fazendo quando morreram, de que forma se deu a morte deles e o que aconteceu depois. Os paleontólogos adventistas usaram GPS de alta precisão para catalogar a localização de cada osso e descobrir como pararam na posição em que foram encontrados.

O artigo descreve o método usado nas escavações e detalha os tipos de ossos que foram encontrados no Hanson Ranch. O grande número de fósseis de dinossauros recuperados trouxe uma visão mais profunda de como tantos ossos acabaram em um único local. Wood, Chadwick e Snyder levantam a hipótese de que todos os dinossauros escavados nos leitos de ossos principais foram mortos em um evento aquático catastrófico e, subsequentemente, realocados por um evento secundário. Leitos de ossos semelhantes depositados por inundações também foram documentados no Canadá. 

“As pessoas querem saber como milhares de ossos foram parar nesse local. Finalmente podemos dar a eles uma explicação científica”, diz Wood. “Este artigo, que já registra 3 mil visualizações, o que é surpreendente, mudará a forma como os ossos de dinossauros são estudados e permanecerá importante nos próximos anos”, ele acredita.

Como curador e diretor do Dinosaur Science Museum, localizado no campus da SWAU, em Keene, no Texas, Wood lida com a parte logística e as operações da escavação. No período de verão do Hemisfério Norte, Wood e Chadwick passam um mês em Wyoming liderando uma equipe de alunos e membros da comunidade que contribuem com o projeto. O plano deles agora é realizar pesquisas em outros pontos do sítio paleontológico de Wyoming, a fim de estudar outras espécies de dinossauros.

Estudantes e membros da comunidade podem participar do projeto de pesquisa, que teve início em 1997. Dois anis depois, a Southwestern Adventist University também começou a oferecer uma aula sobre dinossauros.

BRISA RAMIREZ trabalha como gerente de mídias sociais na Southwestern Adventist University (EUA)

Publicada originalmente no site da Divisão Norte-Americana (NAD, na sigla em inglês)

Última atualização em 1 de fevereiro de 2021 por Rafael.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Os efeitos colaterais da cultura da pressa

A velocidade das novas tecnologias acelerou significativamente nosso ritmo de vida, mas precisamos repensar essa lógica.