Comissão aprova duas novas sedes administrativas adventistas para a região Nordeste do Brasil

1 minuto de leitura
Nordeste brasileiro concentra 34% do número de adventistas no país

Comissao-aprova-duas-novas-sedes-administrativas-adventistasA Comissão Diretiva da sede sul-americana da Igreja Adventista aprovou no último domingo, 17 de maio, a criação de duas novas sedes administrativas no Brasil. O objetivo é melhor atender os membros da igreja na região Nordeste, onde estão concentrados 34% dos adventistas no país.

A partir de janeiro de 2016, a atual Associação Costa Norte (ACN), que atende Piauí e Ceará, muda de nome e passa a ter uma nova configuração territorial. O campo será identificado como Associação Cearense, abrangendo, portanto, apenas esse estado. “Essa região tinha distritos pastorais com um tamanho maior do que alguns estados”, justificou o pastor Moisés Moacir, presidente da igreja para a região Nordeste (União Nordeste).

Com a divisão do território, nasce a Missão Piauiense, com sede em Teresina (PI). A despeito dos avanços do adventismo no Piauí, o estado apresenta grandes desafios por ser o maior reduto do catolicismo no país, conforme mostrou o último censo do IBGE.

Foi aprovada também a criação da Missão Bahia Sul, que terá sede em Eunápolis. O novo escritório cuidará de 14.650 membros, distribuídos em 20 distritos pastorais que abrangem 62 igrejas organizadas e 104 grupos. De acordo com dados da Secretaria da Divisão Sul-Americana, referentes a outubro de 2014, a Bahia é o segundo estado com o maior número de adventistas (165 mil), ficando atrás apenas de São Paulo (230 mil).

Com os dois novos escritórios administrativos, o Brasil passa a totalizar 53 campos (entre associações e missões). [Márcio Tonetti, equipe RA / Com informações de Felipe Lemos]

LEIA TAMBÉM

O perfil do adventista brasileiro

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Os efeitos colaterais da cultura da pressa

A velocidade das novas tecnologias acelerou significativamente nosso ritmo de vida, mas precisamos repensar essa lógica.