Ensino que permanece

4 minutos de leitura

Rede educacional adventista comemora 125 anos no Brasil

Márcio Tonetti


Programa comemorativo realizado na CPB foi marcado por batismos e pela solidariedade. Para celebrar seu 125o aniversário, a rede arrecadou 254 toneladas de alimentos que beneficiarão inclusive famílias de estudantes

A educação adventista no Brasil teve um começo modesto. Quando a primeira escola abriu as portas em um imóvel alugado no centro da capital paranaense, no dia 1º de julho de 1896, tinha meia dúzia de alunos. No entanto, contava com a visão de pioneiros como Guilherme Stein Jr., primeiro diretor do Colégio Internacional de Curitiba. Além do ensino bilíngue (português e alemão), o método de alfabetização utilizado em seus primórdios possibilitava que os egressos aprendessem a ler e a escrever em menos tempo, conforme documentou Renato Gross no livro Colégio Internacional de Curitiba: Uma História de Fé e Pioneirismo, publicado no ano do centenário da educação adventista no ­Brasil. Apesar de a unidade ter fechado temporariamente as portas em 1904, ela foi precursora de uma rede educacional que hoje, somente no Brasil, envolve cerca de 220 mil alunos e 12 mil professores, distribuídos em 300 unidades escolares (veja o mapa abaixo).

Com o objetivo de relembrar a história e celebrar os 125 anos da rede educacional adventista no país, no dia 2 de outubro a sede sul-americana da igreja realizou um programa no auditório da CPB, em Tatuí (SP), com a presença de educadores e líderes eclesiásticos. Na ocasião, Antonio Marcos Alves, diretor do departamento educacional para a América do Sul, enfatizou que, embora seja difícil estimar o alcance de todos esses esforços, muitos frutos têm sido colhidos. Aliás, durante o próprio evento realizado na editora, dois alunos foram batizados.

O processo de modernização das escolas contribuiu para a ampliação do raio de influência da educação adventista. Para se ter uma ideia, hoje 70% dos matriculados nessa rede confessional no Brasil não são adventistas. E, apesar de isso ter trazido muitos desafios, sem dúvida também gerou grandes oportunidades missionárias.

Com fachada e infraestrutura modernas, a maioria das escolas e colégios adventistas se tornou cartãopostal na paisagem de muitas cidades. Mas o principal diferencial continua sendo seu conteúdo. E o ensino fundamentado em valores cristãos é o que muitos pais têm buscado hoje, o que dá relevância à ênfase numa educação que vai “muito além do ensino”.

Uma demonstração de como esses valores são trabalhados na prática foi a iniciativa de celebrar o 125º aniversário envolvendo os alunos numa campanha que arrecadou 254 toneladas de alimentos, mais do que o dobro da meta inicial. Os donativos serão encaminhados para famílias (inclusive de alunos das escolas adventistas) em situação de maior vulnerabilidade.

“É impressionante ver como meninos e meninas se desenvolvem harmonicamente para o exercício pleno das cidadanias terrestre e celestial”, comenta Luís Roberto Halama, mestre em Geografia e professor dessa disciplina em colégios adventistas há mais de 30 anos. Casado com a professora Vilma Rodrigues Halama, que também é professora na rede, ele considera um privilégio trabalhar num contexto que favorece a prática dessa visão mais ampla. “É isso que me inspira como educador”, frisa Halama, que também é autor de livros didáticos da CPB.

Arte: Eduardo Olszewski

TRADIÇÃO E INOVAÇÃO

Ao mesmo tempo que tem procurado manter a tradição no ensino, a educação adventista no Brasil inovou em muitos aspectos. Por exemplo, a rede conta com diversos suportes digitais que ampliam o acesso da comunidade escolar a recursos tecnológicos, como jogos educativos, simulados e serviços de secretaria.

Além disso, no contexto da pandemia foi criada a plataforma de ensino a distância E-class School, que registra números impressionantes: 9,5 milhões de aulas cadastradas, 1,6 bilhão de visualizações de páginas, 156,4 milhões de ­sessões realizadas e 155,4 milhões de atividades dos alunos. Outra novidade é o E-class Play, plataforma de streaming que visa levar para a sala de aula a linguagem das séries e produções audiovisuais.

BASE DO ENSINO

Outra grande conquista, que remonta a um passado mais distante, foi o investimento no próprio material didático a partir do começo da década de 1980. Ao longo dos anos, a produção de materiais didáticos se multiplicou, fortalecendo a parceria entre a rede e a editora da igreja. Nesse período, já foram distribuídos mais de 35 milhões de exemplares, utilizados, inclusive, por outras escolas particulares simpatizantes da nossa filosofia de ensino.

O gerente da CPB Educacional, Alexander Dutra, ressalta que os livros didáticos adventistas são produzidos por professores e educadores da própria rede. “Cada texto e cada imagem são selecionados tendo em vista a filosofia, os princípios e os valores que têm norteado a educação adventista durante todo esse tempo”, sublinha.

EDUCANDO GERAÇÕES

A educação adventista moldou várias gerações da família de Vera Lúcia de Oliveira Dorl. “Sou apaixonada pela nossa filosofia de ensino”, afirma a senhora de 70 anos. Neta de colportor, Vera conta que o avô fez um grande sacrifício para que os quatro filhos estudassem no antigo Colégio Adventista Brasileiro (atual Unasp, campus São Paulo). O mais velho, Gideon, tornou-se médico. Já os outros cursaram Teologia, sendo um deles o pastor Enoch de Oliveira.

Filha do primeiro brasileiro que liderou a igreja na América do Sul, Vera também estudou durante uma década no antigo Instituto Adventista de Ensino (IAE) e só cursou a graduação fora da rede porque, na época, a instituição adventista não oferecia o curso de Letras. Porém, durante a graduação na Universidade Federal do Paraná ela teve a oportunidade de lecionar na escola que funcionava na Igreja Central de Curitiba, trabalhando ao lado dos professores Renato Gross e Nepomuceno de Abreu. Lá também adquiriu noções de gestão escolar, o que a ajudou, anos depois, na administração de duas instituições de ensino superior, as Faculdades Hoyler e Spei.

Seus dois filhos, Denison e Luciene, também cursaram a educação básica na rede. Agora, os netos estão tendo essa oportunidade. Isabela, por exemplo, estudou no Colégio do Bom Retiro, herdeiro do Colégio Internacional de Curitiba, e está cursando o ensino médio no Instituto Adventista Paranaense (IAP). Ela sonha em ser médica-missionária; por isso, sua prioridade é cursar Medicina numa universidade que a prepare para essa missão. “Além de oferecer uma boa base acadêmica, a educação adventista nos capacita para servir ao próximo. Isso eu não vejo em outras redes educacionais”, conclui a estudante.

MÁRCIO TONETTI é editor associado da Revista Adventista (com colaboração de Bruno Guimarães, servidor da CPB Educacional e especialista em marketing e comunicação)

(Reportagem publicada na edição de novembro de 2021 da Revista Adventista)

Sobre Márcio Tonetti

Avatar
Editor associado da Revista Adventista

Veja Também

Declaração de consenso

Documento formulado em simpósio teológico sul-americano reafirma a interpretação adventista do livro de Daniel.