Com autoridade

3 minutos de leitura
Deus transformou uma garota extremamente frágil em sua porta voz para o tempo do fim
Mais do que nunca, a voz profética que orientou a igreja em sua formação precisa ser ouvida. Créditos da imagem: Fotolia e Ellen G. White Estate
Mais do que nunca, a voz profética que orientou a igreja em sua formação precisa ser ouvida. Créditos da imagem: Fotolia e Ellen G. White Estate

Ellen White é um fenômeno. Considerando suas condições iniciais, sua vida foi nada menos do que um milagre, seu ministério nada menos do que prodigioso e suas conquistas nada menos do que espetaculares. Contrastar a vida dela e de outros pioneiros com as nossas comodidades é um bom antídoto contra reclamações.

Em todo o período de seu ministério, ela enfrentou dificuldades. A pobreza inicial do casal White parecia insuportável. Às vezes, eles sobreviviam com centavos. Nos primeiros momentos, seu patrimônio cabia numa mala de viagem.

A mensageira falou muito de saúde e do poder de Deus, mas não estava imune às aflições que assolam os simples mortais. Fraqueza, dificuldade para respirar, problema de estômago, paralisia, reumatismo e perda da consciência são alguns dos males registrados em seus diários e escritos. Isso sem falar nos ataques do inimigo.

Desde o início de suas visões, ela temia se orgulhar e cair no desfavor divino. Contudo, o anjo garantiu que o Senhor a sustentaria e, se ela corresse esse risco, ele a manteria humilde por meio das aflições. Assim como o poder de Deus se aperfeiçoava na fraqueza do apóstolo (2Co 12:9), no trabalho de Ellen a fragilidade se apoiava no poder de Deus.

As próprias visões a deixavam exausta, até porque não era fácil transmitir mensagens de reprovação, em especial para líderes poderosos. Por isso, Tiago White relatou na Review and Herald em 1868: “A senhora White já disse mais de vinte vezes […] que, se ela pudesse escolher entre ter outra visão e ir para a sepultura, preferiria a sepultura.” Mas, em cada passo, Deus a sustentou.

Apesar dos sofrimentos, ela era bem-humorada. O estereótipo de uma mulher sempre séria não passa no teste da realidade. Por exemplo, a nora dela narrou um incidente ocorrido quando voltavam da Austrália, em 1900. O navio parou em Samoa, a certa distância da praia, e as mulheres, com seus vestidos compridos, foram carregadas pelos fortes samoanos. Depois de ser transportada, Ellen White sentou-se numa grande rocha. Ao ver a nora ser carregada, cheia de pose, ela riu tanto que caiu da pedra.

O fato de não vermos Ellen White sorrindo nas fotografias, conforme sugere George Knight, deve-se a uma questão técnica: até 1880, o lento processo de fotografar exigia que as pessoas ficassem imóveis durante um bom tempo, e era mais fácil manter a cara séria do que sorrindo.

Se Ellen olhasse para suas realizações, ou as realizações de Deus por meio dela, teria motivo para sorrir. Ela ajudou a criar e moldar um sistema editorial mundial, a mensagem e as instituições de saúde e a filosofia educacional adventista e seu sistema escolar. Além disso, contribuiu para o aprimoramento das doutrinas da igreja, incluindo o próprio conceito da Divindade.

Para uma menina que tinha medo de orar em público, o caminho trilhado por Ellen levou-a muito longe também na esfera da oratória. Em agosto de 1876, num acampamento em Massachusetts, mais de 15 mil pessoas chegaram de trem para ouvir o sermão dela sobre temperança. Na noite seguinte, mil dos “mais finos e seletos moradores da cidade” lotaram o auditório em Haverhill novamente, o que a fez se sentir mais honrada do que a rainha da Inglaterra.

Se quando ela começou a falar sobre suas visões as pessoas ouviam mais por curiosidade, até porque as mulheres não costumavam se apresentar em público, no fim ouviam para escutar a voz da autoridade. Para alcançar as multidões, ela desenvolveu duas vozes: mezzo soprano para conversação e a “voz do estômago” (abdominal) para a pregação. Acima de tudo, ela falava com a voz do Espírito de Deus, o que compensa qualquer fragilidade.

O adventismo fundamenta suas crenças na Bíblia. Mas o que seria dele sem o dom de profecia? É possível que, sem as visões, os conselhos e o sacrifício de Ellen White, além do esforço de mais alguns pioneiros, a Igreja Adventista não existisse.

Neste mês em que celebramos cem anos do legado de fé da mensageira do Senhor, aproveite para ler as matérias desta edição e os escritos dela. Num momento em que há tantas vozes confusas no mundo, não deixe de ouvir uma voz clara e que tem autoridade.

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Marcos De Benedicto

Marcos De Benedicto
Editor da Revista Adventista

Veja Também

Recortes do cotidiano

O segredo das parábolas de Jesus e do poder das histórias.