A cultura da inovação

2 minutos de leitura

Inovar é transformar ideias em soluções, revelar valores e criar novos significados

Marcos De Benedicto
Crédito: Adobe Stock

A história é antiga, mas a aplicação é nova. O industrial viajou para a Europa. Quando voltou, sua equipe havia construído o protótipo de um carro. A ideia era criar um substituto para o já lendário Modelo T. Enigmático, o empresário deu várias voltas ao redor do protótipo, abriu a porta do lado do passageiro e a arrancou. Em seguida, arrancou a porta do lado do motorista. Por fim, em um acesso de fúria, começou a destruir o carro. Afinal, quem ousava sugerir um sucessor para o ícone que fazia parte da sua própria identidade? Nome do inovador avesso à inovação: Henry Ford, o criador da fábrica de automóveis Ford.

Herói e vilão, mito empreendedor e administrador ruim, interessado em oferecer ao povo carros a baixo custo e megalomaníaco, amante do trabalho duro e controlador implacável, defensor da cooperação internacional e manipulador dos negócios, generoso nos salários para seus funcionários de muitas nacionalidades e antissemita, Ford era o paradoxo em pessoa. Ao mesmo tempo em que foi um grande inventor, ficou parado no tempo. “O cliente pode ter o carro da cor que quiser, contanto que seja preto”, disse (My Life and Work [Garden City, 1922], p. 72).

Pois bem, em sua maioria, os religiosos também são paradoxais. Nós somos. Gostamos de tradição e repetimos rituais por 100, 500, 2000 anos (10 mil, se necessário), enquanto também valorizamos o novo. Sabemos que “ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha”, “nem se põe vinho novo em odres velhos” (Mt 9:16, 17), mas deixamos as tradições se transformarem em tradicionalismos, até Deus Se cansar deles.

Inovação. Quem não gosta do conceito? Porém, na prática, quem promove a inovação? Felizmente, Deus é inovador, como enfatiza o conjunto de matérias de capa. Ele inovou desde o princípio ao criar espaços de felicidade e tornar o mundo um bom lugar para se viver, adorar e servir. Por isso, seguindo o Inovador supremo, se a igreja tivesse mais inovadores, o mundo estaria melhor.

Não devemos esquecer o passado, porém podemos honrá-lo ao reinventá-lo

As tradições são importantes e poderosas, mas as inovações também são. Se as tradições nos conectam ao passado, as inovações nos ligam ao futuro. Não devemos esquecer o passado, porém podemos honrá-lo ao reinventá-lo. Às vezes, pensamos em inovação em termos de ciência e tecnologia, processos e produtos. No entanto, as maiores inovações acontecem no nível do espírito. No reino de Deus, a inovação vai além. Não há sentido em querer transformar a igreja em Apple, ­Google ou Amazon. No âmbito religioso, inovar é transformar ideias criativas em soluções surpreendentes que criam valores e redefinem significados.

A inovação não deve ser entendida como algo circunstancial, mas intencional. É possível uma cultura de inovação. Por exemplo, o Renascimento foi um período de extraordinária criatividade. Por volta de 1435, na cidade italiana de Florença, epicentro dessa explosão de talento, a família Médici começou a apoiar um grupo de inovadores de vários lugares, incluindo artistas, cientistas e filósofos. O resultado foi fantástico! No livro The Medici Effect (Harvard Business School Press, 2004), Frans Johansson defendeu a tese central de que a intersecção de pessoas, culturas, conceitos, ideias e talentos cria um efeito inovador. E, se esse encontro da diversidade costuma favorecer a criatividade, há um grande potencial inovador numa igreja global como a nossa.

É verdade que nem sempre as ideias novas são melhores do que as antigas. Porém, isso não deveria desestimular a inovação. Se a inovação tecnológica deu um grande salto nas últimas décadas, deixemos Deus criar um novo design em nosso pensamento e renovar a igreja e o mundo por meio de nós.

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

(Editorial da Revista Adventista de setembro de 2020)

Última atualização em 15 de setembro de 2020 por Márcio Tonetti.

Sobre Marcos De Benedicto

Marcos De Benedicto
Editor da Revista Adventista

Veja Também

O controle das telas

Por que você deve pensar em adotar o minimalismo digital.