Banquete para a alma

3 minutos de leitura
Num mundo que oscila entre comer muito e não comer nada, saiba por que o jejum pode nutrir você espiritualmente

Banquete-espiritual-editorial-RA-fev-2017-interna

Hoje, jejuar se tornou um modismo entre alguns segmentos da sociedade. As pessoas ficam sem comer para perder peso, eliminar toxinas, baixar o colesterol, melhorar o sistema imunológico, protestar… Mas, comparado ao passado, o número dos que jejuam por motivo religioso ainda não é tão grande. Somente nos últimos anos o jejum começou a recuperar um pouco do prestígio que já teve.

Prática imemorial, o jejum tem uma longa e reverenciada tradição em muitas religiões. Nos primórdios do cristianismo, muitos o elogiaram. No início da Igreja Adventista, o jejum era bem valorizado. Entre 1850 e 1900, houve 42 períodos oficiais de jejum. Contudo, de 1900 a 1977, foram somente nove convocações. O incentivo oficial à prática renasceu recentemente com a ênfase em torno do reavivamento. É nesse contexto que pautamos a matéria de capa deste mês.

LEIA TAMBÉM: Primeiro Deus

A dieta, até mais do que a arte e a literatura, revela o espírito de um povo. Um prato de comida não é somente um prato de comida, a não ser para o faminto. A alimentação tem facetas nutricionais, religiosas, sociais, antropológicas… Comemos não apenas para satisfazer uma necessidade (função), mas para criar um significado (símbolo).

Na Bíblia, em especial, o jejum não tem que ver com dieta nem com imagem corporal, e sim com espiritualidade. Veja alguns de seus possíveis significados:

  • Jejuar é buscar nutrição espiritual. O jejum é a falta de alimento para o corpo que, paradoxalmente, alimenta a alma. Com ele, confessamos que o mundo não é a fonte da vida. Não vivemos apenas de pão, mas da Palavra de Deus e do Pão que desceu do Céu. Se o alimento traz sensações para um sentido (paladar), Deus alegra todo o ser.
  • Jejuar é recorrer ao poder de Deus. “Quando Cristo se via mais tenazmente assaltado pela tentação, não comia nada” e saía vencedor, comenta Ellen White (Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 202). Em 1865, Tiago White, editor da Review and Herald, mencionou que um grupo passou a orar e jejuar pelo fim da Guerra Civil, e isso ocorreu rápido.
  • Jejuar é pensar além da comida. Atualmente, as pessoas “jejuam” de coisas, mas a ideia é antiga. “Que não somente a boca jejue, mas também o olho, o ouvido, os pés, as mãos e todos os membros do nosso corpo”, já dizia João Crisóstomo (347-407).
  • Jejuar é se solidarizar com os pobres. Nos primeiros séculos do cristianismo, era praticado um tipo de jejum social, em que a pessoa deixava de comer para beneficiar quem não tinha o que comer.
  • Jejuar é praticar a justiça. Isaías 58 tem um jogo de palavras envolvendo os termos hebraicos para “justiça”, “julgamento” e “justo”. O povo pedia “julgamentos justos”, mas não agia com “justiça”. Ao contrário da reclamação, o problema não era o silêncio de Deus, mas o silêncio do próprio povo. Inclinar a cabeça por um dia “como o junco” em jejum, fingindo humildade, não era suficiente. Era preciso abandonar a injustiça (v. 5, 6). Parar de praticar o mal é mais importante do que cessar de comer.
  • Jejuar é ter controle sobre a vida. Ao jejuar, Cristo ­deixou um modelo a ser imitado. Por amor de nós, no deserto, corpo emagrecido, Jesus exercitou “um autodomínio mais forte que a fome e a morte”, pontua Ellen White (O Desejado de Todas as Nações, p. 117).
  • Jejuar é sonhar com um banquete futuro. O cristão recebe e experimenta o alimento como um dom e um símbolo dos prazeres do reino. Mas, ao se abster dele, declara que o reino ainda não chegou e anseia por ele, pois na presença do Noivo não se jejua (Lc 5:33-35). Vivemos nesse tempo dialético.

Na Bíblia encontramos uma variedade de motivos e fatores para o jejum, bem como tempos de duração. Isso nos dá liberdade de escolha e mostra que o jejum não é um fim em si e deve ser feito sempre com oração e equilíbrio.

Mas, acima de tudo, jejue como os contritos, e não como os fariseus. O jejum é uma experiência entre você e Deus, não entre você e o público. Bom jejum!

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista Adventista

Última atualização em 16 de outubro de 2017 por Márcio Tonetti.

Sobre Marcos De Benedicto

Marcos De Benedicto
Editor da Revista Adventista

Veja Também

Recortes do cotidiano

O segredo das parábolas de Jesus e do poder das histórias.