Mundo em Revista

Fatos que repercutiram ao longo da semana no mundo adventista

Márcio Tonetti

Na semana em que se comemorou o Dia dos Avós (26), a iniciativa de uma senhora de 71 anos ganhou repercussão na imprensa adventista e em uma emissora de TV de Minas Gerais. Durante a quarentena, Maria Celeste Lopes de Siqueira decidiu criar um canal no YouTube, o “Sou idosa, e daí?”, para compartilhar dicas de como enfrentar a quarentena, manter contato seguro com a família e diminuir a ansiedade. A vovó Celeste, como é conhecida, relatou à Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN) que, antes de cada gravação, ela faz uma busca na internet para saber quais assuntos podem interessar às pessoas dessa idade e convida especialistas para participar das lives.

TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO  

Em Dominica, ilha localizada no leste do Caribe que teve 90% da sua infraestrutura escolar destruída pelo furacão Maria em 2017, a ONG “A Better World Canada” (ABW), da qual o empresário adventista Eric Rajah foi um dos fundadores, tem colaborado com a reestruturação do ensino. O plano é instalar um chromebook (tipo de notebook, porém com menos recursos) para um em cada três estudantes de escolas primárias. Graças ao apoio de diversos parceiros, na primeira fase do projeto foram doados 1.760 computadores.

Falando em educação, nesta semana a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais superou a marca de um milhão de assinaturas na campanha global intitulada “Every child. Everywhere. In school” (Cada criança. Em toda parte. Na escola). O objetivo da agência humanitária é chamar a atenção de líderes mundiais para o número de crianças fora da sala de aula e reforçar que a educação é um direito de todos, independentemente de raça, idade, nacionalidade, sexo, religião ou origem.

REUNIÃO COM O GOVERNADOR 

A Flórida foi um dos estados norte-americanos mais afetados pela Covid-19. Por desempenhar um papel importante no combate à pandemia, o sistema adventista de saúde, AdventHealth, foi representado por dois de seus diretores clínicos numa reunião promovida pelo governador da Flórida no dia 21 de julho. O objetivo da mesa-redonda, que envolveu diversos especialistas, foi discutir o impacto estadual da crise sanitária numa região em que a curva da pandemia agora parece ter chegado a um platô.

Na Argentina, onde o número de infectados voltou a subir em meados de julho, a agência humanitária da igreja tem respondido à crise na saúde pública por meio de serviços como o que vem sendo oferecido no Parque Sanitário Tecnópolis, coordenado pelos Ministérios da Saúde e Cultura e a Cruz Vermelha. No espaço em que pessoas infectadas têm ficado em isolamento, a função da ADRA é prover roupas limpas e desinfectadas aos internos por meio de seu serviço de lavanderia.

INCENTIVO À DOAÇÃO DE PLASMA

O tratamento com plasma convalescente tem sido uma das formas de combate ao coronavírus em alguns países. A terapia consiste em infundir parte do sangue de pacientes recuperados naqueles que ainda lutam contra a Covid-19. Na Argentina, uma campanha realizada pela Granix, indústria adventista de alimentos, tem incentivado doações para essa finalidade.

A campanha #NaturalmenteSolidarios, que chegou a entrar para os trending topics do Twitter no país, consiste na doação de alimentos para os centros médicos habilitados para o procedimento de extração de plasma. Além de receber kits de produtos fabricados pela Granix, os doadores têm sido presenteados com literatura adventista sobre saúde e bem-estar.

MISSÕES MUNDIAIS

Apesar de a pandemia também ter alterado a dinâmica da missão, o Serviço Voluntário Adventista (SVA) não parou. Segundo dados divulgados pela ASN, atualmente há 2 mil voluntários adventistas, de 18 a 79 anos, em 60 países. Desses, 121 são da América do Sul. Protocolos foram adotados para garantir a segurança dessas pessoas e a continuidade dos projetos. “Nosso trabalho é acompanhar os voluntários, desde o momento em que eles saem para servir, enquanto estão servindo e até o momento de seu regresso. Elaboramos um protocolo para que eles pudessem seguir e, assim, manter-se seguros. Outra ação foi disponibilizar psicólogos para que eles pudessem cuidar dos voluntários que mais precisavam de ajuda. Além disso, para aqueles cujo tempo de serviço terminou, mas, devido à situação do fechamento de fronteiras, não puderam regressar, também estendemos seu seguro de vida”, informa o pastor Joni Oliveira, diretor sul-americano do SVA. Outros 54 voluntários do continente aguardam condições favoráveis para carimbar o passaporte.

No contexto asiático, missionários também se preparam para um movimento de plantio de igrejas numa das maiores metrópoles do planeta: Tóquio. A sede dos Jogos Olímpicos previstos para 2021 será palco do programa “Mission Unusual Tokyo” (Missão Incomum Tóquio, em tradução livre), desenvolvido em parceria com a sede mundial da denominação.

A cidade representa um grande desafio evangelístico, já que, atualmente, conta com apenas 900 adventistas que congregam em dez igrejas. Isso equivale a um adventista para cada 10 mil pessoas (compare com a presença adventista nas maiores cidades brasileiras), sem levar em conta o número de habitantes que vivem na região metropolitana da capital japonesa. Por isso, nos próximos cinco anos Tóquio será alvo de diversas ações, apoiadas por pioneiros da Missão Global, voluntários e tentmakers (missionários de autossustento). E quem vai liderar essas ações é o brasileiro Yure Gramacho, que serviu a igreja na Mongólia por cinco anos. Ouça o que ele disse à Revista Adventista sobre o projeto.

REFLEXOS DA PANDEMIA

Em seu boletim mensal, a sede administrativa da igreja na Espanha divulgou que prevê uma queda de até 25% nas entradas de dízimos por conta dos reflexos da crise sanitária para a economia. O pastor Óscar López, presidente da União Adventista Espanhola (UAE), acredita que o impacto nas finanças da igreja pode ser comparado ao da crise econômica registrada no período de 2008 a 2014.

Diante desse cenário, a liderança da organização no país adotou uma série de medidas, que inclui renegociação de alugueis, redução de despesas administrativas e cortes de 10% no salário dos pastores e de aproximadamente 50% no orçamento dos departamentos. Além disso, departamentais e administradores têm assumido outras responsabilidades ministeriais, ajudando, inclusive a atender igrejas locais na região de Madri. “Agrademos pela resposta compreensiva e positiva dos membros”, ressalta o pastor Sergio Martorell, secretário da UAE, no vídeo a seguir.

Nos Estados Unidos, a Lake Union Conference, sede administrativa para os estados de Illinois, Indiana, Michigan e Wisconsin, anunciou uma ajuda de 600 mil dólares, montante que foi distribuído entre os escritórios regionais que sofreram maior impacto econômico.

E se você tem interesse em saber quais foram os principais reflexos da pandemia em nível sul-americano, vale a pena conferir a entrevista concedida pelo pastor Erton Köhler à edição de agosto da Revista Adventista, que já pode ser baixada gratuitamente aqui.

MÁRCIO TONETTI é jornalista e atua como editor associado da Revista Adventista (Com colaboração de Alexis Villar, Carolyn Azo, Esther Azón, Laura Tester, Lina Ferrara e Renata Paes)

Veja também

O poder da influência

O fenômeno dos influenciadores chegou às igrejas. Isso é bom ou ruim?