60 dias de guerra

1 minuto de leitura

As perdas sofridas pela Igreja Adventista na Ucrânia ao longo de dois meses de conflito

Revista Adventista da Ucrânia

Segundo o líder da igreja na Ucrânia, o conflito provocou a morte de pelo menos sete adventistas, além de ter deixado outros 25 feridos. Foto: Adobe Stock

Pelo menos sete adventistas morreram durante os dois meses da invasão russa, e 25 se recuperam de ferimentos. Os dados foram divulgados oficialmente pela Revista Adventista ucraniana.

De acordo com o pastor Stanislav Nosov, líder da Igreja Adventista na Ucrânia, cerca de quinhentos membros perderam casas ou apartamentos, assim como muitas congregações ficaram danificadas. Porém, apenas a Igreja de Mariupol foi destruída.

As instalações de trezentas congregações se tornaram abrigos para refugiados, tanto adventistas como vizinhos das comunidades. Nesses locais, as pessoas receberam auxílio humanitário, psicológico e espiritual.

O trabalho pastoral se dividiu em duas frentes: 80% permaneceram nas comunidades, ajudando membros e moradores próximos; 20% colaboraram com aqueles que desejaram se deslocar para as fronteiras a fim de sair do país.

Não obstante a perda de empregos e o impacto financeiro sofrido pela União Ucraniana, os adventistas do Oeste do país e de nações fronteiriças colaboraram com a doação de mais de mil toneladas de alimentos para as vítimas da guerra. Além disso, nesse período foram contabilizados 26 batismos, número expresivo para o contexto de uma europa secularizada. [Tradução e adaptação: Ruben Holdorf / Fonte: Revista Adventista ucraniana)

LEIA TAMBÉM

Última atualização em 2 de maio de 2022 por Márcio Tonetti.

Sobre Da Redação

Da Redação
Equipe da Revista Adventista

Veja Também

Bulgária em festa

ADRA celebra 30 anos no país europeu com a inauguração de um centro médico-social.