60 dias de guerra

1 minuto de leitura

As perdas sofridas pela Igreja Adventista na Ucrânia ao longo de dois meses de conflito

Revista Adventista da Ucrânia

Segundo o líder da igreja na Ucrânia, o conflito provocou a morte de pelo menos sete adventistas, além de ter deixado outros 25 feridos. Foto: Adobe Stock

Pelo menos sete adventistas morreram durante os dois meses da invasão russa, e 25 se recuperam de ferimentos. Os dados foram divulgados oficialmente pela Revista Adventista ucraniana.

De acordo com o pastor Stanislav Nosov, líder da Igreja Adventista na Ucrânia, cerca de quinhentos membros perderam casas ou apartamentos, assim como muitas congregações ficaram danificadas. Porém, apenas a Igreja de Mariupol foi destruída.

As instalações de trezentas congregações se tornaram abrigos para refugiados, tanto adventistas como vizinhos das comunidades. Nesses locais, as pessoas receberam auxílio humanitário, psicológico e espiritual.

O trabalho pastoral se dividiu em duas frentes: 80% permaneceram nas comunidades, ajudando membros e moradores próximos; 20% colaboraram com aqueles que desejaram se deslocar para as fronteiras a fim de sair do país.

Não obstante a perda de empregos e o impacto financeiro sofrido pela União Ucraniana, os adventistas do Oeste do país e de nações fronteiriças colaboraram com a doação de mais de mil toneladas de alimentos para as vítimas da guerra. Além disso, nesse período foram contabilizados 26 batismos, número expresivo para o contexto de uma europa secularizada. [Tradução e adaptação: Ruben Holdorf / Fonte: Revista Adventista ucraniana)

LEIA TAMBÉM

Última atualização em 2 de maio de 2022 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Perfil pastoral

Pesquisa mostra quem são os pastores que lideram as congregações adventistas na América do Sul.