Legado positivo

3 minutos de leitura

A pandemia nos trouxe muitas perdas e tristezas, mas podemos sair dessa crise valorizando mais a saúde e o que importa na vida

Luiz Fernando Sella

Foto: Adobe Stock

Dizer que a pandemia da Covid-19 mudou o mundo seria um eufemismo. O cotidiano de muitos foi virado de cabeça para baixo. Os impactos negativos da crise sanitária atual foram muito visíveis. Milhões de pessoas adoeceram e perderam a vida, outras tantas perderam o emprego. Uma onda de problemas de saúde mental foi desencadeada e muitos se sentiram oprimidos pelo fluxo constante, por vezes conflitante, de informações sobre a doença.

Apesar das preocupações e dificuldades enfrentadas, houve também mudanças positivas no comportamento das pessoas. Pelo menos é o que aponta uma pesquisa realizada em junho pela Cleveland Clinic, nos Estados Unidos. Segundo esse estudo, um legado positivo da pandemia é a valorização que os entrevistados estão revelando em relação à manutenção da própria saúde.

De acordo com esse levantamento, 62% dos entrevistados adotaram algum tipo de mudança saudável no estilo de vida desde o início da pandemia, seja praticar mais exercícios, melhorar a dieta ou tentar dormir mais. Cerca de 34% dos participantes afirmaram que estavam comendo alimentos mais saudáveis e impressionantes 87% disseram que pretendem manter esse hábito. Por sua vez, dois terços dos entrevistados informaram que a pandemia os fez prestar mais atenção a certos fatores de risco para outros problemas de saúde.

Talvez nunca se falou tanto na importância de manter a imunidade em dia. Para muitos, atingir o peso ideal também deixou de ser uma preocupação meramente estética. Parece ter aumentado também a consciência de que o cuidado com a saúde não tem que ver apenas com envelhecer com qualidade de vida, mas também com enfrentar problemas iminentes e inesperados.

Desejamos ansiosamente que o perigo fique para trás, sem nos esquecermos do que aprendemos nessa dura caminhada

As dificuldades enfrentadas ainda fizeram as pessoas valorizarem o que perderam. O isolamento social nos lembrou da importância dos relacionamentos, dos amigos, da comunhão entre irmãos de fé. Muitos reavaliaram sua maneira de gastar o tempo e o dinheiro, e redefiniram seus objetivos na vida, colocando a saúde, a fé e as pessoas como prioridades.

O que se viu foi uma renovada gratidão pelos trabalhadores dos serviços essenciais, como cozinheiros, motoristas de ônibus, balconistas de farmácias, caixas de supermercados, entregadores de mercadorias e profissionais de saúde. Pudemos também repensar nossa relação com a natureza, a ponto de várias famílias trocarem a agitação das grandes cidades pela tranquilidade do campo.

Enfim, mesmo depois de tantos meses de sofrimento, podemos ainda olhar a situação a partir de uma perspectiva positiva. É preciso ver o lado cheio do copo, o sol que brilha após a tempestade. Espero que a pandemia tenha mostrado para muita gente o que é verdadeiramente essencial na vida. Que as pessoas entendam tudo isso como um convite para uma vida mais simples, com menos consumo, mais propósito e proximidade das pessoas, da natureza e de Deus!

A Covid-19 nos lembrou da importância dos oito remédios naturais prescritos por Deus e dos cuidados preventivos. Desejamos agora, ansiosamente, que o perigo fique para trás. Mas faremos bem se nos lembrarmos para sempre das preciosas lições aprendidas.

LUIZ FERNANDO SELLA é médico endocrinologista e mestre em Medicina do Estilo de Vida

(Artigo publicado na edição de agosto de 2021 da Revista Adventista)

LEIA TAMBÉM

Última atualização em 20 de agosto de 2021 por Márcio Tonetti.

Sobre Da redação

Da redação
Equipe RA

Veja Também

Doador de sangue

Adventista gaúcho já doou sangue mais de 160 vezes ao longo de quatro décadas.